Adelgaza con cérebro

A dieta sem dieta
A dieta do futuro
A que horas comer?
Não conte as calorias
Sem alimentos proibidos
Amigos para não engordar
Durante seis meses, 26 mulheres obesas ou com excesso de peso incluíram em suas dietas dois tipos de shakes: saborosos e calóricos, ou insípidas e sem calorias. Uma equipe de pesquisadores do Departamento de Psicologia da Universidade do Texas acompanhou, através de ressonância magnética funcional, as áreas do cérebro que são ativadas quando uma refeição gosta, e descobriu que as mulheres que tomaram mais quantidade de batidos calóricos e ganharam mais peso eram aquelas que apresentavam menos ativação essas áreas do lazer. Este aparente paradoxo tem a sua explicação. A hipótese é a de que o ser humano, quando come, recebe uma compensação, já que os alimentos que lhe causam prazer. Aqueles a quem o alimento lhes produz menos satisfação tendem a pegar mais peso porque tendem a consumir mais para conseguir essa gratificação indispensável. Comer com gosto, ao contrário do que diziam as nossas avós, ajuda a não querer comer mais. E este é apenas um dos mitos que se desbaratan com as novas pesquisas em nutrição.
Somos máquinas de transformar energia. O mecanismo é tão completo que até tem um sistema de segurança. Parte da energia do alimento é armazenado em forma de gordura no tecido adiposo, para o caso de fazer falta mais tarde. Mas em que quantidade? A resposta tradicional diz que, se há excesso de nutrientes é armazenada, e se não há, se queima. No entanto, esta explicação fica para trás quando, em igualdade de condições, algumas pessoas acumulam gordura e outras não.
É o cérebro que decide o que fazer com o excesso de comida, se queimá-lo ou armazená-lo. Um estudo publicado em 2002, descobriu o mecanismo.
O sistema nervoso simpático envia receptores beta-androgênicos que ativam os tecidos encarregados de queimar gordura, principalmente o tecido muscular e a misteriosa gordura marrom.
O tecido adiposo marrom, ao contrário do que o seu equivalente branco, dedica-se a queimar nutrientes. Está presente nos bebês, e agora foi descoberto que os adultos têm de depósitos desse tecido em volta do pescoço, e que podem ser ativados por exposição ao frio. Esta “gordura que queima gordura” é a responsável de que os esquimós consomem enormes quantidades de calorias e não engorden.
Mente gorda e magra
O cérebro também pode fazer-nos propensos a engordar. O professor Tamas Horvath, da Faculdade de Medicina de Yale (EUA), comprovou que o cérebro de ratos obesos funciona de forma diferente ao receber uma refeição de alta em calorias. A parte encarregada de enviar os sinais para parar de comer (saciedade) e começar a queimar calorias funciona mais lentamente. Ou seja, alguns cérebros são vulneráveis à obesidade e outros resistentes, o que
pode ser determinado pela influência da mãe nas primeiras fases do desenvolvimento fetal.
Existe um distúrbio psicológico chamado ingestão compulsiva que afeta pessoas que comem sem freio como resposta a emoções negativas. Os comedores compulsivos tendem a terminar obesos, embora nem todos os obesos são comedores compulsivos.
A dieta atual, em que reina a comida lixo, parece projetada para modificar nossos neurônios. Os sabores intensos disparam os mecanismos de recompensa do cérebro e reforçam o comportamento compulsivo.
O doutor Kessler, da FDA, chama estas refeições “hipersabrosas”, e acha que as mudanças que provocam na química do cérebro estão por trás da epidemia de obesidade no mundo desenvolvido.
Se o cérebro é o responsável pelos desejos, pode haver formas de controlá-los. Em um recente estudo da universidade Carnegie Mellon, ela convidou os sujeitos do experimento a que se imaginaran a si mesmos comendo as famosas barras de chocolate M
Adelgaza con cérebro

Pense magro e serás magro