Antecipar a epilepsia

A pesquisadora do CSIC, Liset Menéndez da Prida, juntamente com Richard Miles e Gilles Huberfeld. Foto: CSIC.

A epilepsia
Cannabis contra a epilepsia
Neurônios em off
Graças a uma investigação levada a cabo pelo Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC) e o Instituto do Cérebro e da Medula Espinhal, pertencente ao Hospital de la Pitié-Salpêtrière de Paris, pôde ser identificado o mecanismo que desencadeia as crises epiléticas. Esta nova descoberta, permite a previsão de futuros ataques que possam ocorrer, algo praticamente impossível até o momento no campo da epilepsia, o que permitiria aos 400.000 cidadãos afectados por esta doença, melhorar a sua vida cotidiana.
A pesquisa, publicada no último número da revista Nature Neuroscience, explica que os pesquisadores descobriram um “tipo de evento elétrico que precede o aparecimento das crises em pacientes com epilepsia de lobo temporal, resistente a medicamentos em 80% dos casos” . Essas descargas elétricas chamadas pré-ictales, ocorrem minutos antes das crises e provocam uma asincronización de circuitos temporários, levando grande parte das populações neuronais dentro do foco epiléptico antes de chegar a se espalhar por outras áreas cerebrais.
Apesar de que a epilepsia é uma doença documentada desde o babilônico (Código de Hamurabi) é muito pouca visibilidade social que tem esta doença que existem mais de 40 tipos. A estudada por cientistas espanhóis e franceses, a do lobo temporal, parece ser causada por genética, como alguns deles) por problemas sofridos na primeira fase de desenvolvimento (febre, meningite, etc.).
Em Portugal, a cifra de 400.000 afetados, há que somar os 20.000 novos casos são diagnosticados a cada ano. Para que vos torneis uma idéia, segundo dados da Federação Espanhola de Epilepsia, em todo o mundo terá cerca de 50 milhões de pessoas que têm a doença. É verdade que grande parte das epilepsias são resolvidos com drogas, mas 20% delas são resistentes a tratamento e, no caso da epilepsia de lobo temporal, 80% não funcionam. Atualmente, a única solução é a remoção das áreas epileptógenas.
Antecipar a epilepsia

Descobrem que a liberta