Browse Author: Francisco Johnson

Todos nós somos míopes

Foto: Creative Commons

Os olhos esbugalhados são de doente?
É verdade que os insetos enxergam muito melhor do que nós?
É verdade que não se deve olhar fixamente para os olhos dos gorilas?
Perguntas e respostas sobre os olhos
Como todos sabem, a miopia é um erro de refração. Os que sofrem, vêem os objetos próximos com maior clareza do que os mais distantes, os quais olhar embaçado. Isso ocorre em consequência do cristalino e a córnea, que refratam os raios de luz de entrada para que a retina possa enfocarlos com precisão a partir da parte posterior do olho. A miopia ocorre quando nossos olhos focam na frente da retina, em vez de fazê-lo sobre ela. Agora, cientistas da Universidade de Múrcia descobriram, segundo informa PLoS One, que todos os olhos tornam-se míopes na escuridão.
A descoberta teve lugar através de uma técnica que se utiliza em astronomia a partir da óptica adaptativa, que em sua área “elimina o efeito da turbulência atmosférica em telescópios”. Através de uma luz infravermelha, mediram o nível de miopia que se produzia no escuro em diferentes condições de iluminação e ópticas.
Segundo declara Paulo Artal para a Europa Press: “Clinicamente, podem ocorrer sintomas visuais por desfoques tão pequenos como 0,5 dioptria, mas estes só se superam a miopia noturna em condições anormalmente baixas de luminosidade”. Até agora não se tinha a melhor tecnologia para realizar essas medições, já que anteriormente se pensava-se que o efeito causado 15% de perda visual (1,5 dioptria), e que isso provocava um aumento dos acidentes de trânsito.
Todos nós somos míopes

Dormir recarrega o cérebro

O sonho nos recarrega as baterias e o cérebro

Animais dormindo
Sonho em ação
Assim evolui nosso cérebro
Mapa da inteligência
Nas fases iniciais do sono, os níveis de energia aumentam de forma ampla nas regiões do cérebro ativadas durante as horas de vigília, de acordo com uma pesquisa publicada no Journal of Neuroscience. Estes resultados sugerem que um aumento da energia celular pode repor os processos do cérebro necessários para o seu funcionamento normal enquanto se está acordado.
Os responsáveis do estudo, da Escola Médica de Harvard e o Sistema de Saúde de Boston (EUA), explica que já se sabia que dormir é bom para o corpo, mas até agora não haviam sido descobertos os processos biológicos envolvidos em tal processo.
Em particular, os cientistas mediram os níveis de trifosfato de adenosina (ATP), a energia das células, em ratos. Os autores descobriram que o sono é necessário para o aumento de energia ATP, já que se mantinha os ratos acorda-se impedia o aumento de energia.
Dormir recarrega o cérebro

Interpretar um folheto

O medicamento foi retirado do mercado por supostos efeitos adversos

A bíblia da psiquiatria se renova
Ouro para a fabricação de medicamentos
O câncer de mama, mais esperança
Os folhetos antigos não havia quem os entender os termos técnicos que usava e os novos parecem uma enciclopédia, pelo que a informação que eles fornecem. Nada a opor, se não fosse porque os dados que oferecem são tão aprofundados que dá certo reparo tomar até mesmo um medicamento tão comum como o ibuprofeno.
Eis alguns que inclui: “alterações da visão, depressão, sangue nas fezes ou diarreia com sangue, palpitações, coloração amarela da pele”. Para ler um hipocondriaco. É verdade que os folhetos têm ganho em clareza, mas alguns pensam que pode ser pior o remédio com a doença.
Como pode ser melhorada a informação que oferecem, sem causar alarmes desnecessários? Seria tão simples como agrupar os possíveis efeitos adversos de acordo com sua freqüência e explicar ao usuário o que quer dizer o termo “efeito adverso muito raro” ou “pouco freqüente”. Os efeitos secundários são agrupados em cinco categorias: muito frequentes, aqueles que afetam mais de 10% dos usuários frequentes, entre 1% e 10% dos consumidores da droga, pouco frequentes, entre 0,1% e 1%, raros, os que sofrem, entre uma de cada mil, e uma em cada dez mil pessoas, e muito raros, aqueles que sofrem de menos de um em cada dez mil usuários”. Que acalma.
Interpretar um folheto

Ramón e Cajal, no teatro

Um momento de representação ‘Cajal, o rei dos nervos’

Neurônios em uma árvore
Metáforas da mente
Te amo com todo o meu cérebro
O cérebro do futebol
As ressonâncias e o cérebro
Santiago Ramón y Cajal continua vivo em nossa memória. Também no palco, de onde, com a forma de um fantoche, conta a sua vida e o segredo de seu sucesso à todos aqueles interessados em estimulante do mundo da ciência. Desde a sua fase escolar até a investigação que lhe valeu o prêmio Nobel de Medicina, sua grande história, é o melhor exemplo de como colocar a curiosidade pela natureza para a melhor produção científica. O criador da proposta de Bonecos da Tia Elena, Adolfo Ayuso, é um dos convidados interessantes que fazem parte da jornada “Comunicar a neurociência”, pensada para aumentar a formação no campo da divulgação científica. Sua obra é um dos muitos exemplos de neurodivulgación que conhece os participantes do próximo dia 3 de outubro em são paulo.
Através de originais oficinas e o repasse de casos práticos, jornalistas e cientistas analisarão as chaves para fazer uma boa divulgação no campo da neurociência. O tema é de uma importância capital em uma sociedade que está cada vez mais influenciada por grandes avanços de um campo em plena expansão. Vários jornalistas de prestígio estabelecem um diálogo sobre o tema com uma seleção de cientistas espanhóis dedicados ao campo da neurociência, com o objetivo de que os avanços chegam ao público com a maior qualidade.
Ramón e Cajal, no teatro

Comida rápida e depressão

Chega a comida virtual
Será que ainda existem testadores de comida para os reis?
Comida de ficção científica
Dá porno
A comida medieval
Micróbios em sua comida
Quem inventou as batatas chip?
Com a comida sim jogar
Todos nós estamos acostumados a ouvir as poucas vantagens que tem comida lixo para o nosso organismo, mas uma nova pesquisa acrescenta uma nova efeitos sobre a nossa saúde, a comida rápida e bolos: a depressão, doença que afeta mais de 121 milhões de pessoas em todo o mundo. De acordo com uma nova pesquisa de cientistas da Universidade de Navarra e las Palmas de Gran Canaria.
Este estudo, que continua com a mesma linha de investigação que outros já realizados sobre esses alimentos, foi publicado na revista Public Health Nutrition, onde os pesquisadores garantem que as pessoas que consumenten freqüentemente “comida lixo e pastelaria’ têm 51% mais chances que o resto a sofrer de um estado depressivo. No caso da pastelaria, o índice sobe um pouco: “até Mesmo pequenos consumos estão associados com um risco significativamente maior de desenvolver depressão”, explica à Agência SINC: Almudena Sánchez-Villegas, primeira autora do estudo.
De acordo com o padrão que mostra o estudo, as pessoas que consomem mais comida rápida são solteiros, mais sedentários e consomem menos frutas, vegetais, peixe ou óleo de oliva. Outra das características é que este padrão mostra pessoas fumantes que trabalham mais de 45 horas por semana.
Para realizar o estudo, os pesquisadores tomaram 8.964 amostras pertencentes ao projeto Seguimento Universidade de Navarra (SUN), os quais nunca tinham sido diagnosticados de depressão, nem tinham consumido antidepressivos. Após ser avaliados durante seis anos, 493 foram diagnosticados de depressão. Isso coincide com outro estudo publicado pela SUN na PLoS One no ano de 2011, realizado em mais de 12.000 pessoas durante o mesmo período de tempo. Neste caso 657 pessoas foram diagnosticados em estado depressivo. Então, o percentual de fator de risco associado à comida rápida era de 42%, menor do que no novo estudo, que é de 51%.
Comida rápida e depressão

Drogas na comida para bebês

Chega a comida virtual
Será que ainda existem testadores de comida para os reis?
Cuidado com a comida
Comida de ficção científica
A comida medieval
Segundo foram detectados pesquisadores da Universidade de Almeria, alguns alimentos infantis como os elaborados a partir de carne ou leite em pó, contendo, ainda que em quantidades mínimas, vestígios de medicamentos de origem animal. Estes restos de medicamentos provenientes do gado, e lhes são administrados para evitar qualquer tipo de doença. Daí que as quantidades encontradas nos alimentos pertencem principalmente aos antibióticos (.) e antiparasitários (este).
Os pesquisadores, que publicaram seu estudo na revista Food Chemistry, propõe, segundo informa a Agência SINC, um novo método para detectar essas traças, levar um maior controle e evitar que estas apareçam no alimento final. Para isso, a equipe utilizou-se de métodos físicos, também conhecidos como de separação (cromatografia), para separar os diferentes componentes da mistura, podendo assim identificar através de espectrometria de cada um dos componentes e em que quantidade está dentro do alimento final. Conforme explica a SINCRONIZAÇÃO, o teste foi realizado com 12 alimentos diferentes, feitos à base de carne e 9 marcas diferentes de leite em pó e “encontraram-no total, cinco medicamentos veterinários em leite em pó e dez para os produtos elaborados com carne, especialmente se eram de frango ou outras aves”.
Segundo sugerem os pesquisadores, esta pesquisa poderia servir para reforçar os controles de medicação para o gado das fazendas. Muitos dos medicamentos residuais, mesmo em mínimas doses, podem causar diversos problemas de saúde como alergias ou resistência aos antibióticos.
Drogas na comida para bebês

Entrevista a James Randi

O mágico James Randi posa com o último exemplar QUO durante sua entrevista com Javier Peláez (Amazings.é).

A magia se reinventa
A revolução dos magos
O yoga tem sua ciência
Podemos ler o futuro?
Quo tem estado presente em Neuromagic 2011, cerca de originais jornadas enquadradas no incrível paisagem da Ilha de San Simón (Pontevedra) e em que alguns dos melhores mágicos e ilusionistas do mundo se reuniram com um seleto grupo de destacados cientistas para colocar em comum as experiências e conhecimentos sobre a maneira em que funciona a atenção em nosso cérebro.
Entre os participantes estão magos do tamanho de Max Maven, Jamy Ian Swiss, Eric Mead, Luis Piedrahita, Miguel Ángel Gea e, como não, o “amazing” James Randi.
Com 82 anos e um aspecto a meio caminho entre papai Noel e Charles Darwin nos encontramos com uma das lendas vivas da magia e o ceticismo: James Randi é um mágico que leva meia-vida lutando contra os golpes de astrólogos, videntes e psíquicos.
Quo: Mister Randi, é muito interessante verificar como muitos mágicos e ilusionistas, oferecem a outra face em suas carreiras e reúnem esforços na luta contra as pseudociencias no ambiente de movimentos céticos e de pensamento crítico. Richard Wiseman, Penn
Entrevista a James Randi

Em busca da simplicidade

Sua voz interior
Ouvir o silêncio
Em que idioma pensa um surdo de nascença?
A língua nasceu na África
Não há nada mais difícil do que a simplicidade. Especialmente se você quer melhorar a sua forma de falar e de escrever.
Infelizmente, como o senso comum é o menos comum dos sentidos, a naturalidade costuma brilhar por sua ausência em tudo o que dizemos e escrevemos. Achamos, erroneamente, que falamos de forma simples. Nos parece, porque não há nada mais natural do que a fala.
Aos dois anos de idade, nos solta a língua e, depois, ninguém nos para. As estruturas gramaticais que empregamos ao falar são extremamente complexas. Para que nos entendam, recorremos a muitos elementos que estão ausentes na escrita: linguagem corporal, contato visual, tom de voz, o contexto em que estamos inseridos e a capacidade de responder às perguntas que nos fazem.
Se lermos a transcrição de uma conversa que não ouvimos, com pessoas que não conhecemos, provavelmente entenderíamos muito pouco. O mais certo é que vamos ter que decodificá-lo. Em outras palavras, a linguagem oral aguenta muita complexidade. O verdadeiro problema, porém, não está em discussão, mas o que escrevemos.
Em nossos textos, tendemos a reproduzir o espaguete orais que hilamos ao falar. Como não puntuamos o oral, escrevemos proposições intermináveis e, muitas vezes, o único sinal que usamos é a vírgula, procurando marcar as pausas. Mas lembre-se que a pausa pertence ao domínio da oralidade!
A escrita requer que as relações gramaticais entre as nossas orações sejam perfeitamente explícitas e a pontuação correta é o meio para que assim seja. Na hora de escrever, tendemos a repetir palavras e, até mesmo, idéias. Nos mostramos inseguros e gostamos de dizer a mesma coisa duas ou três vezes, não vá ser que o leitor está distraído.
Mas lembre-se de como nos sentimos quando lemos um texto clichê: parece uma agressão à nossa inteligência e sensibilidade. Os leitores procuramos uma progressão lógica de ideias, sentimentos e emoções. Queremos montarnos na onda que imaginou o escritor. Queremos viajar e experimentar —intelectual e emocionalmente— o que se nos propõe.
Para isso, devemos empregar uma sintaxe clara dentro de estruturas gramaticais digeríveis. É preciso usar as palavras certas para cada fenômeno e com a pontuação adequada. Isto, longe de diminuir o nosso pensamento, torna sólido e —mais importante— compreensível.
Em busca da simplicidade

Síndrome de Rett

A dra. Judith Armstrong no Congresso de Síndrome de Rett

7.000 doenças raras
Prever a saúde do bebê
Recentemente, foi realizado o I Congresso de Síndromes Hipotónicos – Síndrome de Rett. A iniciativa nasceu da necessidade de equipas multidisciplinares que tratam esta patologia possam colaborar para avançar no tratamento desta doença.
A síndrome de Rett é uma doença neurológica que afeta uma em cada 10.000 meninas recém-nascidas em Portugal. É causado por uma mutação genética ligada ao cromossoma X, daí que “só afeta meninas”, e geralmente aparece entre os 6 e os 18 primeiros meses de vida. A doença se origina o sistema nervoso central ou no sistema nervoso periférico, e seus sintomas podem manifestar-se desde o nascimento ou, em geral, em crianças muito pequenas. Devido às suas elevadas quantias constitui a síndrome de maior incidência depois da Síndrome de Down.
Uma das palestrantes do congresso foi a geneticista Judith Armstrong, especialista em síndrome de Rett, que assegurava que “graças ao diagnóstico genético durante os primeiros meses de vida, consegue-se “ajustar o tratamento destes pacientes, melhorando sua qualidade de vida e até mesmo sua sobrevivência.”
“Através da estimulação precoce – continua Armstrong –, fisioterapia, hidroterapia, a equinoterapia ou a terapia da fala, os profissionais de saúde podem ajudar essas crianças e suas famílias no dia-a-dia da doença”.
Atualmente, 70% das meninas afetadas vivem mais de 35 anos, graças também que “em um dado momento ocorre uma estagnação do processo de regressão neurológica que leva a uma deterioração física”, aponta a especialista.
Nos últimos anos, estão ocorrendo avanços na terapia genética ou protéica, destinados ao desenvolvimento de novos fármacos para conseguir, primeiro, impedir o desenvolvimento da doença e, em última instância, curá-lo. “Ainda é cedo, os avanços são promissores”, assegurava Armstrong.
É de destacar que todos os fundos arrecadados no congresso, foram doados ao Fundo Biorett para a rede de pesquisa de CIBEBER e da ORPHANET. “Pensamos que para além de ajudar a todas as famílias com alguma menina Rett, avançamos como a comunidade científica em que se preocupa com as doenças raras e os seus problemas, acho que conseguimos aproximar a diferentes profissionais que trabalham por uma mesma causa”, conclui o Dr. Jaime Salom, diretor do congresso.
Síndrome de Rett

Ouro para a fabricação de medicamentos

A química do ouro ainda está em sua infância

Coração de ouro
Como é que é feito um Oscar?
a luz do futuro
Do Castelo à farmácia
Desde que o ouro, deu o salto de oficinas de joalheiros para as cozinhas, de comer ouro já não nos soa em chinês. Agora, além de servir de ingrediente para alguns pratos, entre outras aplicações, pode ajudar a curarnos. A indústria famarcéutica está começando a utilizar para a elaboração de medicamentos. Foi demonstrado que quantidades mínimas de metal servem para transformar componentes extraídos da natureza em moléculas artificiais, que servem de base para o desenvolvimento de fármacos. Como ocorre com outros metais como paládio, ouro, permite fazer transformações complexas em tempos muito curtos, em condições ambientais e de reciclagem dos átomos que não são utilizados.
O grupo que dirige Antonio Echavarren, do Instituto Catalão de Pesquisa Química, foi usado ouro para sintetizar a englerina, uma molécula que se tenha demonstrado a sua eficácia antitumoral in vitro. Em Florianópolis, o grupo de pesquisa Química do Ouro e da Prata, trabalha em outras aplicações do metal contra o câncer, para lutar contra as bactérias ou contra a aids. De acordo com Conceição Gimero, membro este grupo de cientistas, o ouro atua como multiplicador dos efeitos de moléculas anti-HIV. Outras pesquisas já têm aplicação clínica. Embora a utilização do ouro como catalisador está ainda em seus primórdios, já é utilizado no tratamento da artrite reumatóide.
Ouro para a fabricação de medicamentos