Browse Category: Títulos

Contador e o clembuterol

Alberto Contador, em 2009, os Prêmios Antena de Prata.

13 animais muito desportistas
Há esportes que são uma cruz
O TAS sanciona o campeão espanhol com dois anos de suspensão por doping. O ciclista de Pinto, que poderá voltar a competir no dia 5 de agosto próximo, perde suas vitórias no Tour de 2010 e na Virada de 2011
O ciclista Alberto Contador tinha dado positivo por clembuterol em análise realizaram no dia 21 de julho, durante o Tour de França, que ganhou pela segunda vez. A União Ciclista Internacional-lhe suspendeu, provisoriamente, por um “resultado analítico adverso”, embora o Contador disse que se tratava de uma intoxicação alimentar.
O clembuterol é um anabolizante que serve, como alguns outros, para ganhar massa muscular (porque retém melhor as proteínas) e reduzir a proporção de gorduras. Antigamente se utilizava para a engorda de porcos, mas há anos que a UE proibiu essa prática.
Voltámos em PDF para vosotr@s duas reportagens publicadas por QUO sobre dopping:
O dopping já não te dá asas.Quais são os truques dos atletas e o que está fazendo da ciência para compreender.
Corpore insano.O ruim de estar apertos. É o primeiro wiki-reportagem que nos ayudásteis a escrever, em 2008.
Contador e o clembuterol

Cérebro e velocidade mental

Os investigadores analisaram a forma do cérebro e a velocidade mental de uma centena de jovens.

Cérebro obeso
cérebro coletivo
Mapa da inteligência
As ressonâncias e o cérebro
Em 2020, cérebro artificial
cérebro em coma
Os cientistas se perguntam frequentemente se a maior circularidade do cérebro pode favorecer que as informações passem entre os neurônios com mais rapidez, pois a distância entre eles é menor. No entanto, até agora não se tinha medido a relação existente entre a forma do cérebro e as funções cognitivas. Fizeram-no o Centro Nacional de Investigação sobre a Evolução Humana, CENIEH, e a conclusão a que chegaram é que a velocidade mental depende apenas 3% da geometria neural. Embora esta informação é importante para o estudo da evolução e a biologia do cérebro, ao mesmo tempo, conclui-se que a forma cerebral “não parece ter relevância para caracterizar a velocidade mental de um indivíduo”, explica o coordenador da pesquisa, Emiliano Bruner. Em contrapartida, outras relações, como o tamanho do cérebro e a longevidade sim parecem ter evidência científica.
Cérebro e velocidade mental

A foto da semana

A foto da semana
A foto da semana
A foto da semana
A foto da semana
Pistorius, a foto da semana
Antes de ler o seguinte texto lembre-se que a estatística aquela que nos matamos 4 aranhas, por noite, enquanto dormimos, é completamente falsa, alguém pode chegar a engolir alguma, sobre tudo vítima de uma cogorsa e com os sentidos perididos, mas não é nada habitual. O que sim se pode passar é o que aconteceu com a senhora Lê da província de Hunan, na china. Dias atrás se apresentou no hospital Central do País, com um incômodo no ouvido que lhe trazia má desde há cinco dias atrás. O médico, ao descobrir o novo inquilino, tirou-a, usando uma solução salina porque temia que se eu o fizesse com uma pinça, o bichejo iria mais para dentro ainda.
Como deía anteriormente, é raro que isso aconteça…mas não é um caso único: a outra mulher foi “beijada” por uma aranha, o que também provocou-lhe um envenenamento e também existe outro caso documentado de aracnídeos invasores de cavidades auditivas. Agora sim, aproveite o fim-de-semana e durme tranquilo.
A foto da semana

Guarde o seu cordão umbilical

O cordão umbilical pode salvar a vida de seu filho

Projeto Natal XBox
Prever a saúde do bebê
Crianças com transplantes
Crianças com auto-controle
A visão de criança
É chamado de Alba, tem quatro anos e vive em San Fernando (Cádiz). Tratar-Se-ia de uma menina mais se não fosse porque superou um câncer, graças ao tratamento com células-tronco provenientes de seu próprio cordão umbilical.
Ao nascer, seus pais, Santiago e Teresa, decidiram conservar as células estaminais do sangue do cordão umbilical (SCU) em um banco privado, Crio-cord, e poder usá-lo no caso de que tivesse alguma doença. A decisão lhe salvou a vida. Atualmente, Alba não precisa de medicação e pode levar uma vida “quase” normal, mas deve passar por exames médicos.
O sangue do cordão umbilical contém grande quantidade de células especializadas que permitem a renovação das células sanguíneas. Se estas células são transplantadas para alguns pacientes podem ser promissores sucessos terapêuticos.
Em Portugal, a legislação atual reconhece a capacidade dos pais de guardar o sangue do cordão umbilical (SCU) de seu filho para uso autólogo eventual, conforme explica a Organização Nacional de Transplantes (ONT). Além disso, qualquer mãe pode se tornar doador de sangue de cordão umbilical. As condições são que o centro, onde nasça o bebê tenha uma autorização específica para extrair o SCU e que exista uma convenção ou um acordo entre a maternidade onde nazca e o banco onde está armazenado o SCU.
A GNT apresenta uma lista de Maternidades e Bancos de Sangue de Cordão Umbilical autorizados para isso. Você também pode enviar a SCU para qualquer banco do estrangeiro, sempre que se cumpram as condições que exige a legislação.
Guarde o seu cordão umbilical

Os transplantes, sem crise

No primeiro trimestre de 2011 foram feitas 1.007 transplantes.

Crianças com transplantes
Transplante total de rosto
Transplante de coração
Transplantes para a Europa
A arte de criar órgãos
A ciência dos transplantes
Tráfico de órgãos
Fabricar um olho
A crise já passou, ao menos no que se refere à doação e transplante de órgãos em Portugal. No primeiro trimestre de 2011, o número de doadores aumentou 16,2% e o de transplantes de quase 25%, segundo os dados da Organização Nacional de Transplantes, ONT.
A crise tem sido vista e não vista. Os primeiros dados negativos apareceram em setembro de 1999 e, em um ano e meio, a tendência se inverteu. A maquinaria da GNT tem demonstrado, uma vez mais, estar perfeitamente lubrificada para encontrar uma solução para cada problema. “Nos demos conta -explica Rafael Matesanz, diretor da GNT-, de que fizemos bem o nosso trabalho em UTI, detectando possíveis doadores, mas não em outras áreas do hospital, como nas unidades de avc ou no serviço de urgência”. Esse “descuido” fazia com que não se oferecesse para os familiares de muitos doentes a possibilidade de doar seus órgãos. À medida anti-crise da GNT para chegar a mais potenciais doadores, há que acrescentar outras, como a incorporação da doação cruzada ou o aumento da vivo.
O modelo português de transplantes, uma referência para o resto do mundo, tinha tocado o teto porque nos últimos dez anos, e sobre tudo, desde a entrada em vigor da Lei de Segurança Rodoviária, em 2005, o número de doadores falecidos em acidentes de trânsito passou de 250 em 80. Também diminuíram as mortes por acidente de trabalho, não porque tenha mais segurança no trabalho, mas a consequência da crise, especialmente na construção. Em 1992, 43% dos órgãos veio de pessoas que havia sofrido um traumatismo craniano, o percentual diminui, pouco a pouco, até chegar a 5% no ano passado. Isso Portugal tem seguido a mesma tendência que a maioria dos países da União Europeia, com excepção dos do leste, como a Roménia e Portugal, onde o tráfego continua a ser um flagelo. Assim que, enquanto avança a investigação para a criação de órgãos em laboratório, há que procurar alternativas, e a GNT foi encontrado. A fórmula para dizer adeus à crise: analisar o problema e procurar uma solução. Princípio da eficiência, uma fórmula tão boa como para que outros o copiem.
Os transplantes, sem crise

Otimismo e alegria

Ilustrações do livro “Contos à margem do sonho’

Setimiento de alegria
Antonio Damásio
Terapias alternativas
Reduzem o risco de infarto, liberam endorfinas (estimulam a elasticidade das artérias) e até favorecem a digestão. São alguns dos benefícios que recolhem os mais de 200 trabalhos sobre o otimismo e a alegria, que foram analisadas na Universidade de Wright (Ohio, EUA). Os relatos do livro Contos à beira do sono têm os mesmos ingredientes. No livro participaram, desinteressadamente, 26 narradores e 26 ilustradores. Não é de admirar, já que, com ele, a Fundação Theodora pretende recolher fundos para financiar a visita dos “doutores do sorriso” às crianças hospitalizadas. Os palhaços, mágicos, artistas e malabaristas que frequentam os hospitais são uma fantástica medicina. Não curam, mas humanizan a estadia no hospital e contribuem para que a recuperação seja mais rápida.
Otimismo e alegria

El terror adelgaza

Assistir o filme O brilho pode perder 184 calorias.

Conheça o equidna ‘Beau’
Alerta: lixo espacial
Um mundo microscópico
Crise ressuscita a malária
Injeção de sangue fresco
Os fãs de filmes de terror que se queixem uns quilos a mais estão de parabéns. Pesquisadores da Universidade de Westminster asseguram que ver um filme de terror ajuda a queimar as calorias equivalentes a uma barrinha de chocolate.
O estudo, encomendado pela Lovefilm, sentou-se aos voluntários para ver vários filmes de terror. Os cientistas observaram a freqüência cardíaca, o consumo de oxigênio e produção de dióxido de carbono. Finalmente, encontraram que os filmes de medo com momentos regulares de ‘surpresas’ desses que nos dão uma reviravolta no estômago, são as que mais nos ajudam a perder calorias, já que aumentam o ritmo cardíaco de uma forma espetacular.
Segundo o dr. Richard Mackenzie, professor e especialista em metabolismo celular e fisiologia na Universidade de Westminster, “à medida que o pulso se acelera e bombeia o sangue mais rápido por todo o corpo, experimentamos uma subida de adrenalina. Este aumento se deve aos momentos de ‘susto’ e de estresse intenso da trama, provocado pelo medo, que provoca a redução do apetite, aumenta a taxa metabólica basal (TMB) e, ao final, queima um número maior de calorias.” Em média, segundo as conclusões de um terço por cada projeção.
“Todos conhecemos a sensação de querer se esconder atrás do sofá ou pegar um travesseiro quando se vêem cenas de medo”, disse o editor de Lovefilm, Helen Cowley, “mas esta pesquisa sugere que, talvez, os que tentam queimar algumas calorias devem manter seus olhos na tela e vencer o medo.”
TOP 10: “Filmes de medo para emagrecer”
1. O fulgor: 184 calorias.
2. Tubarão: 161 calorias.
3. O exorcista-158 calorias.
4. Alien: 152 calorias. .
5. Jogos mortais: 133 calorias.
6. Pesadelo em Elm Street: 118 calorias.
7. Paranormal Activity: 111 calorias.
8. O projeto de a bruxa de Blair: 105 calorias.
9. O massacre do Texas: 107 calorias.
10. [Rec]: 101 calorias.
El terror adelgaza

A TV, o melhor sonífero

Por que os jantares pesadas nos fazem sonhar coisas estranhas?
Dormir recarrega o cérebro
Sonho em ação
Sonhos 3D
Visualize seus sonhos
Sonhos 3D
Dormir, para emagrecer
O caçador de sonhos
O principal sonífero dos espanhóis é a televisão, e especialmente a telebasura, de acordo com uma pesquisa com 1.700 internautas que fez o Centro de Pesquisa sobre Fitoterapia, Infito. Seis de cada dez inquiridos recorrem à televisão para conciliar o sono, e entre estes, a metade dormem com os programas de fofocas, 44% escolhe um filme e um 3% a tertúlia política. Além da televisão, um em cada cinco optou pela música 8% recorre a um livro.
Mas o dado que mais chama a atenção é que apenas um em cada vinte entrevistados, 5%, diz que praticar sexo é o que mais você relaxa e predispõe para dormir, o mesmo percentual que prefere tomar alguma pílula. O recurso a esta opção durante pouco tempo e sob prescrição médica não apresenta nenhum risco para a saúde, mas a longo prazo pode ter efeitos secundários, segundo alertam os especialistas.
Rosa Peraita, responsável pela Unidade do Sonho do Hospital Gregorio Marañón de Madri, explica que “prolongar um hipnótico indifinidamente cria problemas de tolerância, necessidade de doses cada vez maiores para obter os mesmos efeitos e sintomas de abstinência quando se suprime o fármaco”. Além disso, os comprimidos podem causar sonolência diurna, uma das principais causas de acidentes de trânsito e de trabalho.
Apesar de dispor de “medicamentos para dormir” tão variados, muitas pessoas ainda estão tendo problemas de insônia. Quais os motivos? Segundo a pesquisa de Infito, o desemprego e os problemas económicos são o que mais tiram o sono aos espanhóis, especialmente os homens (27%) e os que têm entre 30 e 39 anos (41%). A saúde é a principal causa de insônia para as pessoas mais velhas (40%) e para mulheres (37%), enquanto que os problemas de casal só lhes perturbam o sono para 9%.
A TV, o melhor sonífero

Cérebro 3D para estudar

O futuro cérebro 3D vai ajudar médicos a realizar melhor seus diagnósticos.

Queimar o cérebro cura para a doença de parkinson
Cérebros antibióticos
Mapa da inteligência
Henry Markram, neurocientista do pesquisador do Projeto Cérebro Humano (HBP) lançou um à procura de solução sem precedentes: fazer uma simulação para o detalhe do cérebro humano, para assim poder conhecer, estudar, analisar e encontrar soluções para doenças neurológicas como o alzheimer ou o autismo. Segundo o pesquisador, o projeto envolve uma “revolução” no campo das tecnologias de supercomputação.
Dispõem de dez milhões de artigos científicos, ensaios e análises, que falam sobre o nosso órgão mais precioso. Integrar todo esse conhecimento de anos e anos de pesquisa, é uma aposta que, sem dúvida, facilitará a tarefa a biólogos, cientistas e pesquisadores de todo o mundo, além de ajudar a entender melhor o funcionamento do cérebro, a realização de um diagnóstico mais confiável e dar o tratamento mais adequado em resposta a uma análise mais abrangente.
A data prevista de lançamento é para o ano de 2018, em que se espera contar já com o primeiro protótipo de um supercomputador para realizar uma simulação incrivelmente detalhadas do cérebro. Isso, se conseguem financiamento, pendente de aprovação pela Comissão Europeia, já que “a indústria não pode fazê-lo por si mesma. Se não se consegue, não se paralizará o projeto, mas levará muitos mais anos do que o previsto”, explica Markram.
Segundo o pesquisador, o principal desafio do projeto é aprender as regras a partir das quais poderemos ‘construir’ o cérebro humano: como se distribuem os neurônios, quantos tipos de células existem ou como funcionam de maneira conjunta”. E é que trabalham sobre um dos organismos mais estudados, mas também mais delicados e, em parte, mais desconhecidos.
O projeto HBP, é um dos seis projetos pré-selecionados pela Comissão Europeia para participar da iniciativa Tecnologias Emergentes e do futuro (FET) em apoio a planos de investigação multidisciplinares em grande escala. O projeto, que foi apresentado hoje, em Madrid.
Cérebro 3D para estudar

Um medo de cinema

Medos infantis
Terror para crianças
Filmes que não entende
Justo quando a mão afiada de Freddy Krueger está de frente após a cabeça de sua primeira vítima, a área do cérebro relacionada com as emoções, a amígdala, recebe uma avalanche de sangue. Trata-Se do “ponto G” neural, o que é ativada quando sentimos prazer.
Já em 2009, uma equipe de pesquisadores das universidades da Califórnia e da Flórida (EUA), afirmavam que, segundo suas pesquisas, quando alguém vê um filme de terror, o que sente realmente é excitação. E é que a estimulação da amígdala, depois do medo inicial, produz uma sensação de gratificação real. “Por isso, depois de uma cena de terror intensa, os espectadores se sentem felizes. A gente gosta de ter medo”, dizem os autores da pesquisa. Além disso, durante este tipo de filmes, também é acionado o córtex pré-frontal, a área em que se processam os pensamentos mais sofisticados e onde se avalia o perigo.
É assim que chegamos à conclusão de que não estamos diante de uma situação real de perigo, que é apenas um filme e que não temos que sair correndo do pátio de espectadores. E este sentimento de alívio também nos faz sentir bem.
O cinema ao microscópio
Pois tudo isto é o que se verifica, no mesmo momento em que está acontecendo, o neurocine, uma nova disciplina que utiliza imagens de ressonância magnética funcional (fMRI) para observar quais áreas do cérebro estimula cada cena de um filme. Deste modo, cada diretor pode verificar, sem dúvida, como captar a atenção de seu espectador, e até mesmo, se assim o quisesse, manter o seu cérebro continuamente estimulado até a extenuação.
O artigo científico que deu pé a criação desta nova disciplina foi o resultado de várias investigações levadas a cabo por uma equipa de cientistas da Universidade de Nova York liderados por David Hegeer. Ele e seus colaborar escanearon o cérebro de 45 voluntários enquanto viam cenas de vários filmes e programas de televisão, com o fim de encontrar respostas comuns de ativação em todos os sujeitos, ou seja, padrões de resposta. Em todos os casos, seriam necessárias várias regiões do córtex cerebral, área visual, lobos occipitales e os centros da linguagem e do ouvido. E a área de Brodman, onde reside a memória.
E é que, segundo Yadin Dudai, um neurocientista do departamento de Neurobiologia do Instituto Weizman de Israel: “O cinema, como um produto cultural de expressão narrativa, depende de um componente de nossa memória episódica, a chamada memória de trabalho, que por sua vez pertence à memória a curto prazo. A do trabalho é uma estrutura neurocognitiva das funções executivas e atencionales encarregada de manter e recuperar as informações para a sua utilização”.
É a que utilizamos para se lembrar de um número de telefone, que nós guardamos para indicá-lo imediatamente em uma agenda, mas que em seguida esquecemos.
No caso dos filmes, este tipo de memória manipula e organiza os estímulos sensoriais (visuais e auditivos), dando-lhes uma forma narrativa para, em seguida, passá-los à nossa memória a longo prazo. E é precisamente este processo que, por vezes, perdemos a informação sobre o que nos foi animado mais ou em que momento específico de um filme, passamos mais medo. Por isso, o neurocine tornou-se a alternativa infalível para os grupos de consulta que os diretores de cinema usavam para sondar as impressões que causava o seu produto.

O cérebro tem sempre razão
A primeira empresa que fez este tipo de “estudo de mercado” de forma comercial é MindSign Neuromarketing, uma empresa de San Diego, Califórnia, dirigido por Philip Carlsen, que confessa: “A neurociência contribui muito para o processo criativo. Você pode ajudar a decidir desde os cenários, o guarda-roupa, os atores e a música, até o travessão ou a narrativa visual de uma cena. Até agora, como em outros mercados, os filmes são submetidas a grupos de análise que traziam suas opiniões a um investigador após o visionamento do filme. Mas você está opiniões estavam frequentemente sujeitas a muita subjetividade. O neurocine conseguiu transformar o subjetivo em algo muito objetivo”.
O primeiro filme analisada por MindSign de que temos um resultado público é PopSkull, um filme de terror dirigido por Peter Krantz. Segundo o próprio diretor: “No caso de Pop-Skull, o uso desta tecnologia permitiu-nos saber, a posteriori, o que as imagens tinham tido mais ao espectador, e quais efeitos sonoros e visuais foram mais eficazes”.
Com relação a PopSkull, a pesquisa foi posterior ao lançamento do filme, o que Kantz não fez modificações sobre o original. No entanto, está decidido a usar este método de análise, desde o princípio, em seu projeto futuro. “Da próxima vez, além disso, farei ênfase na onde tem a sua atenção exatamente cada espectador durante cada cena”, aponta Kantz. Philip Carlsen, além disso, me confirma que já foram feitos estudos sobre filmes de outros gêneros, mas não está autorizado a revelar o conteúdo de tais estudos e os títulos dos filmes a analisar.
“No entanto, posso dizer-lhe que, embora o neurocine é uma prática nova em Hollywood, nos dois últimos anos, têm sido muitos os estudos e as empresas de produção que começaram a usá-lo como parte de seus protocolos de estudos de mercado”, confessa Carlsen.
Ultimamente, de fato, sim transcende, que M. Night mais tarde, o diretor de O sexto sentido, tem exigido dos serviços de MindSign para rolar Devil, sua última produção.
Mestre do controle mental

A Hitchcock, mestre do suspense, gostava de se vangloriar de seu conhecimento das reações do público. Uma de suas frases mais conhecidas é: “A criação é uma ciência exata sobre as reações do público”. E agora a ciência provou que ele tinha razão. Com a chegada do neurocine, foram incluídos dois de seus filmes em pesquisas recentes, onde mostraram ser as mais eficazes em desencadear todo o tipo de emoções. Recentemente, além de Bang! Você está morto (veja o quadro à esquerda), também foi analisado Acorrentados ( Notorious).
O fim da arte
O grande dilema que se coloca agora é se o abuso deste tipo de técnicas para fazer produtos ad hoc pode acabar com a arte. A partir de agora, os filmes de Hollywood serão mais uma fórmula que nunca!.
“Todo o contrário: a fórmula envolve a narrativa, ou seja, que tenha picos e vales. O que MindSign oferta é um novo modelo onde não houver altos e baixos, mas que cada cena seja um pico e cada sequência tão intensa como um trailer”, afirmava a revista Wired em uma coluna recente que tinha por objeto sobre o tema.
Inclusive há quem tenha comparado o resultado da possível utilização generalizada desta tecnologia com os feelies, alguns cinemas a que acudiam os habitantes do romance de Aldous Huxley, Um mundo feliz, em que se estimulava o seu amígdala para substituir a falta de sentimentos humanos que tinham em sua vida diária. Não será caso para tanto.
Um medo de cinema