Menos mortes por malária

85% das mortes ocorrem em menores de 5 anos

Laser contra a malária
Tutancâmon morreu de malária
A malária vem do gorila
É verdade que a tônica foi inventado como uma vacina?
Uma de cada três mortes por malária que são registrados a cada ano (781.000) poderiam ser evitadas com artesunato, um medicamento que custa 1.40 euros mais do que o quinino, o que é agora usado para tratar os casos graves da doença. A OMS e organizações como Médicos sem Fronteiras fez um apelo internacional para que possam beneficiar-se dele os 8 milhões de pessoas, a maioria crianças, que correm risco de morte. A maioria dos 225 milhões de casos de malária que são registrados a cada ano não são mortais, mas 4% destes, em torno de 8 milhões, acabam evoluindo para malária grave. Todas as mortes são registradas entre estes últimos, com sintomas que afetam órgãos vitais do corpo, como os pulmões, os rins ou o cérebro.
De acordo com o relatório de Médicos sem Fronteiras “Malária servera: mudança de rumo” o custo de mudar de um medicamento por outro está âmbito da comunidade internacional: “Tratamento com artesunato em vez de com quinino todos os casos de malária severa representaria um custo adicional em medicamentos de 31,8 milhões de dólares por ano, e com isso se salvarías cerca de 195.000 vidas por ano”. Não é o fim da malária, mas se um passo de gigante no tratamento. A OMS já alterou seus guias clínicas para recomendar o novo fármaco, e alguns países como Guiné, Níger ou em Uganda, já anunciou que o utilizarão, mas a iniciativa defronta-se com sérios problemas. Os primeiros, económicos, de acordo com o relatório de Médicos sem Fronteiras, porque a mudança de um fármaco por outro “é visto como uma ameaça econômica para a produção local de quinino, que representa uma importante atividade econômica em vários países endêmicos”.
A isto há que juntar, que “os gestores e prestadores de cuidados de saúde não costumam saber das últimas evidências científicas”, um problema que também afeta muitos dos profissionais de saúde. “Muitos médicos continuam convencidos de que o quinino é o melhor tratamento para a malária severa”, aponta o relatório. E isso apesar de que os efeitos secundários deste fármaco incluem tonturas, anemia e, em alguns casos, problemas cardíacos, e é difícil de gerir, porque as doses devem ser calculados com precisão, tendo em conta o tamanho da pessoa. A overdose pode causar cegueira permanente, convulsões e coma. Por isso, os Médicos sem Fronteiras conclui seu relatório assim: “urge elaborar, sem demora, um plano internacional de apoio à mudança de rumo na luta contra a malária severa”.
Menos mortes por malária

Nova medicamento muito eficaz