Como é bom tomar muito sal?

Uma de nossas cinco tipos de papilas gustativas, é dedicada ao sal. São as únicas específicas para uma única substância química específica.

Em que consistiu a chamada ‘guerra de sal’?
Identificação dos sabores
9 curiosidades sobre o sabor
Por que a comida não tem sabor?
Apenas uma substância preocupa mais com a Organização Mundial de Saúde que o sal: o tabaco. O efeito dos cristais brancos na elevação da pressão arterial os torna um dos principais culpados da crise de doenças não contagiosas, que prende ao mundo. Se bem que o sódio e o cloro, que a compõem, tornando-se um nutriente essencial para manter o equilíbrio de fluidos, e o primeiro deles ajuda as células nervosas a criar os impulsos elétricos, as quantidades transmitidas por alimentos naturais seriam para atender as nossas necessidades. Por essa razão, os médicos levam 40 anos em pé de guerra contra o saleiro.
No entanto, no passado mês de julho a reconhecida instituição Cochrane Collaboration publicou um estudo sobre a relação entre o sal e as doenças cardiovasculares. Nele se comparam os resultados dos melhores ensaios sobre o tema realizados até agora e se chegasse à conclusão de que aqueles que reduziam o consumo de sal apresentaram pressão arterial ligeiramente inferior e menos risco de morrer de ataques cardíacos e derrames cerebrais. Sim, a incidência das mortes não era tão grande como para tê-la em conta estatisticamente. O American Journal of Adaptation publicou também o estudo e, junto com ele, um editorial em que seu diretor, Michael Alderman, sublinhou a falta de provas para reduzir o consumo de sal. Alderman, que passou anos mantendo essa postura, havia trabalhado como consultor contratado para o Salt Institute, uma organização que representa 48 produtores e distribuidores de cloreto de sódio nos Estados Unidos.
Sua idéia foi publicada por vários jornais. Mas Graham MacGregor, professor de Medicina Cardiovascular no Instituto Watson de Medicina Preventiva de Londres (Reino Unido), voltou a analisar os dados da Cochrane partir de outra perspectiva, e deduziu que a incidência de tomar menos sal sim era significativa.
Em novembro, a revista de Altman apareceu com uma nova análise. Desta vez, atribuída à redução de sal uma diminuição dos níveis de certas hormonas e lipídios que em teoria pode aumentar o risco cardiovascular. MacGregor admite que isso pode ser verdade, mas apenas se o corte no consumo fora repentino e muito pronunciado. De fato, muitos dos estudos incluídos na análise duravam apenas alguns dias. O especialista continua insistindo que: “Temos uma evidência do efeito adverso de sal muito maior do que a gordura, ou dos benefícios de comer frutas e legumes”.
Por que comemos tanto?
Cerca de três quartos do sal que consumimos lhe são adicionados aos alimentos, antes de chegarem ao nosso prato. Não só a carne curada e o peixe defumado, mas também a de artigos menos suspeitos, como os cereais de pequeno-almoço, bolachas, queijo, os iogurtes, biscoitos, sopas e molhos. Até mesmo o pão. As razões:
-Prolonga a vida útil do produto.
-Melhora muito o gosto dos ingredientes baratos.
-Mascara os sabores amargos que costumam aparecer nos processos de cozido industrial.
-Pode-Se injetar a carne para fazer com que a reter mais água. Deste modo, pode-se vender ao preço da carne.
-Melhora o aspecto, a textura e até o cheiro dos produtos finais.
-Provoca sede, o que aumenta a venda de bebidas.
Algumas cifras
3,75 gramas de sal diários são recomendados nos EUA como adequados
0,5 gramas a partir dos quais se começa a acumular excesso de sódio no corpo.
8 gramas que consome o ocidental médio por dia
12 g são a norma em algumas regiões da Ásia.
0,01 gramas diários que levam os yanomami, a tribo que menos sal comer o mundo
© 2012. New Scientist Magazine. Reed Business Information Ltd. Todos os direitos reservados.
Como é bom tomar muito sal?

Exame a crecepelo

De que depende a cor do cabelo?
Por que o homem ficou sem cabelo e outros macacos não?
A maquiagem do rei
Dona o cabelo
Por cabelos
Pai, não me leve para o cabelo
Nem um cabelo de bobo
Telas mais finas que um fio de cabelo
Como os implantes de cabelo também podem sofrer de alopecia?
Os crecepelos continuam a ser um timo, uns porque não têm efeito algum, e outros, porque provocam efeitos colaterais e não são tão caros que ao sofrido alopécico manter o cabelo pode salirle por um olho da cara. É a conclusão de um estudo sobre os tratamentos para a calvície de origem genética da Organização de Consumidores e Usuários, OCU, que analisou cinco tipos de terapias: shampoos, cremes e ampolas, suplementos com vitaminas e minerais, medicamentos, implantes, e novas técnicas como a terapia de ozônio, o laser ou massagens mecânicos.
Sobre os reis do mercado contra a perda de cabelo, ampolas, loções e xampus, OCU é taxativo: “ninguém conseguiu demonstrar efeitos suficiente constrastados contra a alopécia androgênica (de origem genética). Os complexos vitáminos e minerais que foram colocadas de moda, “só dão resultado se a causa da queda é uma falta de algum desses nutrientes” e os extratos de chá verde ou levedura de cerveja falta de “evidência científica que suporta sua suposta eficácia”. Também não correm bem, melhor sorte da ozonoterapia, o laser ou massagens mecânicos. “Como muito, diz a OCU, melhora a aparência do cabelo, mas não abrandar a queda”.
Os únicos produtos que moderam ou param a queda são dois medicamentos, finasterida, que é tomado em comprimidos, e minoxidil, uma loção capilar. A sua eficácia está comprovada, mas a OCU carrega as tintas contra eles, porque diz que são caros (finasteride sai por 650 euros por ano e minoxidil 200) e, no caso das pílulas provocam efeitos colaterais como a disfunção erétil ou a diminuição da libido”. A OCU não explica qual o percentual de usuários são afetados por esses problemas e tal como o redige em seu relatório parece que foram gerais. No entanto, a Academia Espanhola de Dermatologia, que agrupa todos os dermatologistas, explica que “é uma medicação bem tolerada e os supostos efeitos sobre a potência sexual não foram comprovados”. O relatório da organização de consumidores carga contra o minoxidil do que afirma que “pode potenciar o crescimento em outras partes do corpo”. Nenhum dos dermatologistas consultados pela Quo se encontraram nenhum caso de alguém que aplicar uma loção de minoxidil no cabelo, haja visto a crescer pêlos nas outras áreas.
O preço, em torno de 6.000 euros, também é o principal problema dos implantes, de acordo com a OCU, mas, no entanto, não cita que sua eficia não é de cem por cento. Os calvos não tem garantia de que a solução vai funcionar, a alopecia afeta também os que passaram pela sala de cirurgia.
Exame a crecepelo

O amor acalma a dor

O amor, a melhor medicina

Por que os faquires não sentem dor?
O melhor para aliviar a dor que é ver a pessoa que amamos, segundo um trabalho da Universidade da Califórnia. Verificou-Se um experimento com 25 mulheres que projetou a foto de seus namorados em uma tela enquanto se submetia a estímulos dolorosos.
Todos eles sentiram menos dor ao ver os seus pares que, quando aparecia outra pessoa, segundo os pesquisadores, porque são ativadas representações mentais agradáveis, alguns pensamentos que têm um efeito paliativo sobre a dor.
O amor acalma a dor

A maquiagem do rei

Reis Magos
O rei Lear (1605)
Os reis medievais já cuidavam da sua imagem, quase como hoje: usavam maquiagem e se tinha o cabelo e a barba. A análise dos restos das tumbas reais, o mosteiro de Santa Cruz, em Cascavel, confirmam que Pedro III de Aragão (1240-1285) se tinge de loiro com apigenina genisteina, uma substância que se obtém das flores amarelas de um arbusto, a tamargueira. Os pesquisadores do Museu de História da Catalunha, que restauram o mosteiro cisterciense foram encontrados resíduos dessa substância nos restos de pêlos da barba do rei e da rainha Branca de Anjou, esposa de Jaime II, o Justo. Também foram encontradas ácido carmínico na cara da rainha, o que confirma que, no século XIII, os reis também se maquillaban. A descoberta foi uma surpresa para os pesquisadores, que conheciam a existência de tratados de cosméticos da época, mas não que a vaidade da realeza levaria a pintar o cabelo.
Já então os reis tentavam transmitir uma imagem de tudo, especialmente de si mesmos, mesmo depois de mortos. A reconstrução facial que foi feito, tanto de Pedro III, como o da Branca de Anjou demonstram que a representação escultórica do jazente que aparece nas tumbas “não é um retrato fiel, mas uma idealização estética”, garante Marina Miquel, a coordenadora da pesquisa. O curioso é que, ao menos o rei, não precisava disso, porque os restos mumificados revelam que o monarca era muito alto para a época, tinha entre 1,75 e 1,80.
A maquiagem do rei

Sopa de lata

Qual o tipo de sucata emitimos?
Uma vaca polui mais que um carro
A burca: “eu Sou prejudicial para a saúde das mulheres”
O utilizador saudável
Mafalda está de parabéns: suas opções de comer sopa de cada dia podem diminuir de forma considerável. De acordo com um novo estudo publicado no Journal of the Medical Association, consumir sopa em lata pode ser prejudicial para a nossa saúde, devido a um monômero presente no produto conhecido como Bisfenol A.
O que é o Bisfenol A?
O Bisfenol A é um monômero comumente usado na fabricação de plásticos e resinas. Se tem a suspeita de que é prejudicial para a saúde desde os anos 30, fato que foi comunicado os diversos meios de comunicação para alertar a população e os fabricantes sobre o seu consumo. Entre outras doenças, a presença na urina de Bisfenol A está associada à diminuição da concentração espermática, ou a perigosa exposição a este monômero por fetos, bebês ou crianças devido aos seus efeitos adversos e toxicidade. Também outros estudos demonstraram que este monômero é um potencial interruptor endócrino que pode alterar o bom funcionamento do nosso sistema hormonal.
Além disso, esta pequena molécula tóxica foi intimamente ligada a doenças como obesidade, diabetes, alteração do funcionamento da glicose ou patologias cardiovasculares.
O que pode ser prejudicial a sopa em lata
Para chegar a estas conclusões, os pesquisadores de Harvard analisaram a urina de 75 voluntários que, cinco dias antes, tinham estado a consumir o produto nas proporções de ingestão habitual. A urina dos voluntários demonstrou um aumento de mais de 1,221% nas concentrações de Bisfenol A, coisa que não aconteceu, depois de outros cinco dias de ingestão de sopa caseira.
Apesar do trabalho de conscientização que muitos Governos, como o do Canadá foram realizadas para alertar sobre a toxicidade do Bisfenol-a, este continua a ser utilizada para a fabricação de latas de sopa, garrafas, garrafas de plástico de policarbonato e outros produtos presentes na nossa vida cotidiana.
Segundo afirma Miguel Porta Serra, professor de saúde pública da Universidade de Barcelona e autor do livro “a Nossa contaminação interna. Concentrações de CTP na população portuguesa” para a BBC: “O bisfenol A é um dos produtos químicos que são produzidos em maior escala em todo o mundo. Assim, não é produto secundário ou irrelevante, ou um produto que tenha sido proibido há muito tempo”.
Sopa de lata

Causas da gripe severa

Um defeito genético poderia explicar o porquê da gripe afeta mais a umas pessoas do que para outras. Foto: Creative Commons

Gripe A e gripe sazonal
Como será a próxima pandemia?
Especial gripe A
Gripe suína
Gripe perguntas frequentes
O Google prevê a gripe?
Por que a gripe é mais grave em algumas pessoas do que em outras? Isso parece uma resposta a um novo estudo publicado na revista Nature, em que pesquisadores do Imperial College de Londres e do Instituto Wellcome Trust Sanger, afirmam ter encontrado um gene determinante para que a gripe afeta alguns com mais gravidade do que outros.
Antes deste estudo, os pesquisadores sabiam que o vírus da gripe não afeta igual a algumas pessoas do que outras, apesar de ainda não tinham identificado o motivo. Esta pesquisa põe a descoberto o gene IFITM3, o que explica a diferente susceptibilidade ao mesmo vírus em pessoas diferentes.
A proteína encarregada de codificar este gene, tem um papel de grande importância na proteção celular contra o vírus se refere, e os investigadores consideram que é crucial para uma correcta resposta do nosso sistema imune contra vírus como o A (H1N1). Se esta proteína é elevada em nosso organismo, pode evitar a propagação do vírus nos pulmões, mas se está ausente ou sua expressão é anormal, o vírus tem menor resistência para propagar-se facilmente causando sintomas severos ao afetado.
Para realizar o estudo, os cientistas usaram ratos que previamente haviam extraído o gene. Demonstrou-Se que a ausência do gene IFITM3 aumentaria os sintomas do vírus a diferença de que não se lhes havia retirado o gene. Posteriormente, os pesquisadores secuenciaron o gene de 53 pacientes que foram internados por Gripe A. Os resultados constataram que alguns deles apresentavam uma variante não habitual do gene que codifica uma versão curta da proteína. Esta variante pouco frequente faz com que as células sejam mais suscetíveis à infecção viral.
Embora os pesquisadores garantem que há que fundamentar a estes dados com estudos mais amplos, os dados mostram que a ação de uma proteína antiviral pode alterar o curso das epidemias, seja pela gripe, ou por outros vírus.
Em qualquer dos casos, os autores do estudo recomendam a vacinação contra a gripe, especialmente no caso de pessoas que possam estar no grupo mais vulnerável: Segundo declara para BBC, o autor e diretor do estudo, Paulo Kellam: “Nossa pesquisa é importante para as pessoas que têm esta variante porque podemos prever que suas defesas imunes serão prejudicadas com as infecções virais”.
Causas da gripe severa

O olho lê o futuro

O olho se abre ou fecha quando prevê que vai mudar a intensidade.

Iluminar a escuridão
Criar luz na escuridão
Minority Report já é possível
Normalmente, nossa pupila se amplia em um quarto escuro e encolhe a pleno sol, para evitar que o excesso de luz pode danificar a retina.
No entanto, essa variação de tamanho não é controlada apenas pela energia luminosa real. Um estudo liderado pelo psicólogo Bruno Laeng, da Universidade de Oslo (Noruega), foi descoberto que esse mecanismo de fechamento e abertura também se põe em movimento quando “só acreditamos” que a escuridão aumenta ou diminui.
Para isso, os pesquisadores mostraram a um grupo de voluntários ilusões ópticas que davam a impressão de serem umas mais brilhantes do que outras. Suas pupilas reagem exatamente como se essa diferença fosse real. O achado indica que o circuito cerebral envolvido no processo de visão ativa para antecipar situações prejudiciais para o olho. Mesmo quando não faz falta.
O olho lê o futuro

Há bebidas inesquecíveis

Álcool para fazer amigos
álcool e sexo
Estresse, álcool e outras razões
Bebidas gourmet
Bebidas ao microscópio
A ciência da barriga de cerveja
As fresas protegem o estômago
O prazer de saborear um bom vinho experimenta 60% da população adulta portuguesa, que declara beber álcool regularmente.
Esta “confissão” em massa nos coloca na sétima posição do ranking de consumidores em todo o mundo. A culpa têm os romanos, que foram os primeiros a produzi-lo e perfumarlo com ervas. Depois chegaram os árabes, descobridores dos segredos da destilação, após eles, um professor da universidade de Montpellier, que ganhou diversos destilados que aplicou na medicina. Não demoraram a encontrar suas virtudes para satisfazer o paladar humano.
Hoje, cada português bebe, em média, 10 litros de álcool puro por ano. Deles, 5,8 são de vinho e espumante, 2,8 destilados, como o whisky e a genebra, e 1,4 litros são de cerveja. Saúde.
As taças em números
Saudável: 40 por cento dos espanhóis assegura a não beber álcool durante uma semana normal.
A falta de hábito de beber álcool continua sendo mais comum entre as mulheres (63%) e os jovens de 18 a 29 anos (42%).
Os que bebem habitualmente costumam tomar duas bebidas alcoólicas por semana.
83% dos jovens que saem de zonas de copas nos fins de semana reconhece consumir álcool, e 43% consome bebidas de alta graduação.
A cerveja é a menos consumida pelos seguidores da garrafa: apenas 7,8 %.
O álcool é responsável por 40% das mortes por acidentes de trânsito, 46% das mortes por homicídios e 25% dos suicídios.
Efeitos do álcool
Absorção
É rapidamente absorvido no estômago e passa para o sangue. Começa a fazer efeito é de, aos 5 ou 10 minutos.
Visão
Deteriora certas terminações nervosas, entre elas, as do nervo óptico, que transmite a imagem normalmente, esta é a razão de que se veja duplo.
O fígado em ação
É o fígado, o que elimina o álcool, e o faz a uma velocidade, não superáveis, de 6 a 7 gramas por hora, o que equivale a meia lata de cerveja a cada hora.
Rins
O etanol que contém o álcool é um diurético que faz com que os rins não reabsorban líquido. Dessa forma, a bexiga se enche com muita facilidade.
Palpitações
O coração precisa bombear mais sangue, para fazer chegar de oxigênio para o cérebro. Por isso, aparecem as palpitações e aumenta o risco de acidente cardiovascular.
Diminuição de açúcar no sangue
Pode reduzir a quantidade de açúcar –uma das principais fontes de energia do cérebro– no sangue. Beber muito, sem ter comido nada em pouco tempo esgota os hidratos de carbono no fígado.
Vómitos
Em sua viagem do esôfago ao estômago, o álcool produz uma molestísima acidez, que pode terminar em vómitos ou refluxo gastroesofágico.
Fracasso sexual
Mas parece que uma dose estimula o desejo, o certo é que o seu abuso impede o correto fluxo de sangue até o pênis, e a consequência é o temível gatillazo.
O dia depois
Mal-estar geral
Após uma noite de bebedeira, o corpo tem que conseguir recuperar o equilíbrio químico, e isso leva pelo menos 24 horas.
Tremores
O álcool estimula a produção de insulina faz com que se reduzam os níveis de glicose no sangue. Estes baixos níveis são responsáveis de ocorrência de tremores.
Dor de cabeça
A desidratação no cérebro afeta os neurotransmissores, o que, unido a uma dilatação dos vasos sanguíneos, produz enxaquecas e dores de cabeça.
Sem apetite
Às 24 horas provoca a chamada progressiva, dado que pequenas, ou depósito de gorduras. Como o fígado quer metabolizar rapidamente o álcool, esquece-se de remover os lipídios (gorduras e triglicérides) no sangue, e isto provoca uma sensação de saciedade.
A longo prazo
Cirrose
O consumo abusivo durante longos períodos afeta principalmente o fígado, e pode provocar cirrose.
No pâncreas
Gera acúmulo de gordura nas células,o que pode inflamar o pâncreas e produzir dor. Embora este remeta, a lesão pode ser irreversível.
Anemia
Para metabolizar o etanol são consumidos vitaminas, e isso produz hipovitaminosis. Descem os valores de ácido fólico e de ferro, e chega a produzir anemia.
Câncer
Por cada 20 gramas de álcool consumidos diariamente aumenta o risco de câncer na cavidade oral 19%, de faringe 24%, e de laringe 30%.
Osteoporose
Na mulher provoca menopausa precoce e aumenta o risco de osteoporose.
Falsos tópicos
O álcool é um estimulante e tem um importante efeito energético. NÃO
É perigoso para o coração e pode chegar a danificar a musculatura cardíaca. SIM
O álcool alimenta, não só engorda. Abre o apetite e aumenta o desejo sexual. NÃO
O álcool é eliminado antes com chuveiros de água fria, tomando café, fazendo exercício ou vómito. NÃO
Há bebidas inesquecíveis

Cuidado, falsas vitaminas

Inventam uma malha cirúrgica bioativa
Do Castelo à farmácia
Será que a crise melhora a saúde?
De acordo com um estudo levado a cabo por investigadores da Universidade Nacional de Sun Yat-Sen (Taiwan), os suplementos vitamínicos ou nutricionais que mais da metade da população consome, podem não apenas causar os efeitos desejados pelos consumidores, mas também provocar efeitos adversos sobre a saúde. É a conclusão a que chegou a equipe do Dr. Wen Bin-Chiou ao finalizar o estudo.
Segundo informa a BBC, em uma pesquisa realizada nos Estados Unidos, os cidadãos americanos declaram consumir porque “são boas para a saúde”. Além disso, os dados mostraram que a cada dia aumenta o índice de consumo destes produtos baseados em minerais, aminoácidos, vitaminas, coquetéis ou combinados de proteínas. Os números do mercado mundial a respeito alcançam um índice de aumento a cada ano de 5%, mas de 39% nos últimos dez anos. O que também não parece ser bastante impressionante se tivermos em conta a grande variedade de produtos desta gama que os fabricantes destes “remédios” têm no mercado.
Segundo afirma o Dr. Wen, “as pessoas que confia no uso de suplementos dietéticos (para proteger sua saúde pode estar pagando um preço escondido: ter a idéia errada de que é imune aos problemas de saúde e tomar decisões erradas no que ao seu bem-estar refere-se”.
O estudo, publicado na Psychological Science, conta o processo que levou a equipe do Dr. Wen a essas conclusões. Separaram dois grupos de pessoas. Cerca de lhes forneceram complexos dessas substâncias. As outras um placebo. Ao final do estudo, foi comprovado que as pessoas que acreditavam ter tomado suplementos nutricionais, se sentiam mais “invulneráveis” para os problemas de saúde do que os que acreditavam que tomaram um placebo. Por isso escogían andar menos, comer sem ter em conta todos os elementos necessários para a dieta e com excessos ou outras condutas que possam resultar até mesmo “imprudentes” para a saúde.
O certo é que, como indica o Dr. Wen, não parece evidente que o aumento destes compostos seja diretamente proporcional ao aumento da saúde pública.
Cuidado, falsas vitaminas

Vacina contra o infarto

Uma nova vacina que poderia estar disponível em 5 anos reduz o risco de ter um ataque cardíaco a 70% (em ratos). Foto: Creative Commons

Há tumores de coração?
Chocolate para o coração
O coração tem memória?
Um quilo já não pesa mil gramas
Os baixos têm pior do coração
O infarto agudo do miocárdio ocorre em consequência de uma falta de irrigação sanguínea, com dano tissular, em uma área do coração, devido, geralmente, a obstrução de uma artéria coronária por um coágulo. Infelizmente, é a principal causa de morte no mundo, as quais “são cobrados 17,3 milhões de vidas por ano”, segundo a OMS. Felizmente, os avanços em cardiologia parecem seguir em linha reta para uma correcta e eficaz prevenção do ataque cardíaco. Na última conferência de Biologia Cardiovascular do Imperial College, de Londres, realizada no passado mês de março, pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, anunciou uma nova vacina que poderia ajudar a evitar os ataques do miocárdio.
O segredo da vacina, que poderia dispensar-se em spray ou vacina, é o fármaco que contém. Este dispõe de um anticorpo (BI-204), o qual se encarrega de estimular o sistema imunológico do organismo, para assim poder produzir anticorpos que impedem a acumulação de gordura nas artérias, que é o que predispõe o organismo a um ataque cardíaco. O objetivo dos tratamentos farmacológicos atuais se baseiam em tentar reduzir os níveis de colesterol e ter controlada a pressão arterial, mas esta vacina confere um ‘extra’ novo de grande importância: pode reduzir a acumulação de gordura das artérias em 70% (os primeiros testes em ratos). Estes depósitos de gordura que se formam nas artérias coronárias, faz com que estas se estrechen e até mesmo se fechem, o que implica que nosso organismo terá que trabalhar para bombear mais sangue, ação que pode resultar em um ataque cardíaco.
A vacina, catalogada como CVX-210, está atualmente em desenvolvimento pela CardioVax e entrou já no processo de aprovação regulatória, com o objetivo de iniciar os ensaios clínicos. Por sua parte, o seu formato em spray nasal ‘batizado’ como BI-204, e em breve será testado em 144 pacientes nos EUA e Canadá.
Segundo informam os pesquisadores, de se confirmar a sua eficácia em ensaios clínicos, a vacina poderá estar disponível em cinco anos. Até agora, os tratamentos atuais reduzem os riscos em 40%, mas continua a existir um 60% dos pacientes que precisam de soluções.
Vacina contra o infarto