Estágios de dois irmãos

Antes de nascer
imeros arrumacos. Entre as semanas quatorze e dezoito de gestação, os gêmeos se procuram um ao outro com suas cabeças e braços. Então, se tocam, competem por espaço e estabelecem as bases de uma relação de afeto, conforme comprovaram os cientistas da Universidade de Pádua, na Itália, com ultra-som em 3D.

Infância
Destronamento. A chegada de um irmão desperta um sentimento de competência, que permanecerá praticamente o resto de sua vida. De boa vontade, o primogênito lhe arrebataría ao segundo seus direitos, mas a presença do amor dos pais e o seu tratamento justo para todos acalma sua atitude hostil.

Imitação. Na aquisição de habilidades sociais, os irmãos têm um peso maior do que os pais. Os maiores servem de modelos no comportamento erráticas e as positivas. Por exemplo, uma gravidez precoce no seio do agregado familiar aumenta o risco de que, repita-se, as irmãs menores.
Apoio. Com seus jogos desenvolvem sentimentos de empatia, apego e o entendimento mútuo.

Guerra quente. Os pais devem gerar relações de respeito entre os seus filhos, para que seus protestos e rivalidades não se transformem em uma batalha campal.

Adolescência
Alianças e estratégias. Em seu confronto com os pais para reorganizar sua identidade e estruturar a sua personalidade, o jovem une suas forças com seu irmão, que atua como aliado e modelo. Se, pelo contrário, torna-se rival, essa atitude gera um efeito muito prejudicial para o adolescente.
Obstáculos: As contendas dos pais corroem o vínculo fraterno e impedem que os irmãos se reconhecem como tais.

Idade adulta
Prova de fogo. A necessidade de cuidar dos pais, heranças ou outras questões econômicas ameaçam romper o pacto de não-agressão, mas a força do vínculo de sangue, e um passado comum costuma ser maior.
Guerra fria. Apesar das divergências e diferentes modos de ver a vida, persiste uma tendência natural a se reunir para evitar a frustração de ter traído um sistema de valores. Esta atitude permite uma convivência pacífica e inclui momentos de amor e fraternidade.

A Calma e a reconciliação. Na velhice, melhora qualquer relação pessoal (e muito mais fraternal), devido a uma melhor regulação emocional e o tempo limitado de vida. A sensação de bem-estar é maior nos idosos que mantêm algum irmão vivo, especialmente se se trata de irmãs.

Ranking de combates
De 3 a 7 anos: os irmãos estão envolvidos em algum tipo de briga de cerca de 3,5 vezes por hora.
7 anos de idade: é a idade em que começam a rivalizar. A Cada 10 minutos, há pelo menos um choque.
35% dos irmãos foi preso ou agredido um irmão.
13% dos irmãos foi preso ou agredido um irmão.
6% foi agredido com uma arma.
40% sofre essas agressões repetidas vezes.
Estudos preliminares desta investigação descobriram que 14% das crianças sofre agressões repetidamente por parte de um irmão, e entre os dois e os nove anos, estas crianças apresentam sintomas de ansiedade e depressão.
Níveis de irmandade
Íntimos: Com relações fraternais sólidas, de apoio e de confidências.
Afáveis Cordialidade, sem nenhum desperdício sentimental.
Fiéis: Encontros rotineiros e cordiais, com uma certa distância emocional.
Apáticos: Indiferença para com os vínculos familiares.
Hostis: Os velhos ressentimentos continuam à flor da pele.
Estágios de dois irmãos

Antecipar a epilepsia

A pesquisadora do CSIC, Liset Menéndez da Prida, juntamente com Richard Miles e Gilles Huberfeld. Foto: CSIC.

A epilepsia
Cannabis contra a epilepsia
Neurônios em off
Graças a uma investigação levada a cabo pelo Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC) e o Instituto do Cérebro e da Medula Espinhal, pertencente ao Hospital de la Pitié-Salpêtrière de Paris, pôde ser identificado o mecanismo que desencadeia as crises epiléticas. Esta nova descoberta, permite a previsão de futuros ataques que possam ocorrer, algo praticamente impossível até o momento no campo da epilepsia, o que permitiria aos 400.000 cidadãos afectados por esta doença, melhorar a sua vida cotidiana.
A pesquisa, publicada no último número da revista Nature Neuroscience, explica que os pesquisadores descobriram um “tipo de evento elétrico que precede o aparecimento das crises em pacientes com epilepsia de lobo temporal, resistente a medicamentos em 80% dos casos” . Essas descargas elétricas chamadas pré-ictales, ocorrem minutos antes das crises e provocam uma asincronización de circuitos temporários, levando grande parte das populações neuronais dentro do foco epiléptico antes de chegar a se espalhar por outras áreas cerebrais.
Apesar de que a epilepsia é uma doença documentada desde o babilônico (Código de Hamurabi) é muito pouca visibilidade social que tem esta doença que existem mais de 40 tipos. A estudada por cientistas espanhóis e franceses, a do lobo temporal, parece ser causada por genética, como alguns deles) por problemas sofridos na primeira fase de desenvolvimento (febre, meningite, etc.).
Em Portugal, a cifra de 400.000 afetados, há que somar os 20.000 novos casos são diagnosticados a cada ano. Para que vos torneis uma idéia, segundo dados da Federação Espanhola de Epilepsia, em todo o mundo terá cerca de 50 milhões de pessoas que têm a doença. É verdade que grande parte das epilepsias são resolvidos com drogas, mas 20% delas são resistentes a tratamento e, no caso da epilepsia de lobo temporal, 80% não funcionam. Atualmente, a única solução é a remoção das áreas epileptógenas.
Antecipar a epilepsia

Reverter sintomas do autismo

Foto: Creative Commons

Terapias contra o autismo
As vacinas são seguras
Autismo: a prevalência aumenta
O gene do autismo?
Nova definição de autismo
Dia mundial da síndrome de Asperger
Síndrome de Asperger
Ficha policial de uma jovem muito dr. ícaro alves alcântara
De acordo com um novo estudo publicado Science Translational Medicine,um grupo de pesquisadores norte-americanos conseguiram reverter os sintomas do autismo em um experimento com ratos. Os sintomas que os cientistas conseguiram estes resultados com dois sintomas claros do autismo em referência à interação social: a falta de sociabilidade e as condutas filmes de repetição.
Para o experimento, os pesquisadores se concentraram em inibir o cérebro dos ratos o glutamato, um aminoácido que ocorre em nosso cérebro e que, em seguida, sintetiza-se em cerca de células conhecidas como astrócitos, as quais participam na boa manutenção do sistema nervoso (tanto o central como o periférico). Após aplicar o fármaco experimental (denominado GRN-529) que inibe este aminoácido, “os ratos afetados com autismo aumentaram sua interação com o resto de animais e reduziram de forma significativa as condutas repetitivas”, afirma o estudo.
O glutamato é encontrado em grandes quantidades em nosso sistema nervoso central, a maior parte em neurônios. Funciona como um neurotransmissor facilitando a comunicação entre elas.
Atualmente, os pesquisadores analisam diferentes compostos para conseguir determinar qual dos inibidores de glutamato poderia funcionar melhor para ensaios em humanos, estudos que os cientistas afirmam que começarão em breve. Segundo aponta para a BBC, o doutor Thomas Insel, um dos participantes do estudo e Diretor do Instituto Nacional de Saúde Mental dos EUA: “o autismo muitas vezes, é considerado apenas como uma deficiência que precisa de reabilitação. Agora podemos tratar o autismo como um transtorno que pode responder a tratamentos biomédicos”.
Reverter sintomas do autismo

! Perigo! refrigerantes de dieta

Por enquanto, não foi verificado nenhum efeito secundário na “água dietética”.

A dieta sem dieta
Dietas extremas
Que dietas não funcionam
A dieta do futuro
Tomar todos os dias refrigerantes de dieta, sem calorias, aumenta o risco de sofrer um acidente vascular cerebral, como um ataque do coração ou derrames cerebrais, em 61%. Assim o indicou uma pesquisa apresentada na última Conferência Internacional da Associação Americana de doenças cardiovasculares.
O estudo, realizado por pesquisadores das Universidades americanas de Columbia e Miami, liderados pela doutora Hannah Ellen Jardineiro, acrescenta uma nova evidência da relação entre bebidas dietéticas e doenças cardiovasculares.
Para realizar o estudo, seguiu-se o consumo deste produto por parte de 2.500 cidadãos de Nova York durante nove anos. Os pesquisadores descobriram que aqueles que tomavam esses refrigerantes todos os dias tinham um 61% de chances de sofrer doenças cardiovasculares e contra os que não tomavam.
As reacções não se fizeram esperar. A Associação Americana de Bebidas disse que não há evidências científicas que apoiem a ideia de que esses refrigerantes causam por si só, o aumento de doenças cardiovasculares.
Por sua parte, a equipa de Jardineiro reconhece que ainda há que descobrir por que o uso de adoçantes sem açúcar, como o aspartame e a sacarina, está causando tal problema e a quantidade exata de o que é considerado inseguro. Agora, sim, que têm estimado o risco de consumo diário, e lembre-se de que muitas pessoas nos EUA bebem até quatro latas por dia.
! Perigo! refrigerantes de dieta

O coquetel de leite

Possível solução para as alergias
Leite humano para sorvetes
Dentes de leite
Leite de vaca humana…
Leite em toda regra
Alergia a ovos e leite
De acordo com demonstrou uma equipe de cientistas hispano-marroquina, dirigidos pelo Dr. Evaristo Ballesteros da Universidade de Jaen, um copo de rica leite pode chegar a conter uma mistura de até 20 analgésicos, antibióticos e hormônios para o crescimento.
Graças a um teste de alta sensibilidade em amostras de leite de cabra, vaca e leite materno, encontraram uma grande quantidade de produtos químicos que normalmente são utilizados para tratar doenças em animais e pessoas.
Se bem que as doses são muito pequenas para ter um efeito sobre qualquer bebida, este estudo volta a demonstrar e pôr de manifesto como os produtos químicos artificiais estão atualmente envolvidos em toda a cadeia alimentar.
Segundo o estudo, publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry, a maior quantidade de medicamentos e compostos químicos foram encontrados no leite de vaca. Os investigadores consideram que algumas das drogas que se administra para o crescimento do gado, foram parar ao leite através da sua alimentação ou a mesma poluição das fazendas.
O computador hispano-marroquino liderado pelo Dr. Ballesteros analisou mais de 20 amostras de leite de vaca adquirida em Espanha e Marrocos, juntamente com outras amostras de leite de cabra e leite materno. De acordo com a repartição publicado na revista de divulgação, o leite de vaca contém fármacos anti-inflamatórios, ácido niflúmico, ácido mefenâmico e cetoprofeno -de uso comum, como analgésicos, tanto em pessoas como animais.
Também contém o hormônio 17 beta estradiol é um estrogénio. Esta hormona sexual foi detectada a três milionésimos de grama em cada quilograma de leite, enquanto que a dose mais alta de ácido niflúmico foi menos de um milionésimo de um grama por quilograma de leite. No leite materno, encontraram-se restos de naxopreno, ibuprofeno e de outros analgésicos, juntamente com triclosán, antibióticos e outros hormônios. No leite de cabra, a maior presença é de ácido niflúmico.
Segundo explica o Dr. Ballesteros “acreditamos que a nova metodologia ajudar a identificar de maneira eficaz, a presença deste tipo de poluentes não só no leite, mas em outros produtos”. O teste pode ser feito em 30 minutos, e é o mais sensível de seu tipo.
Não é o único achado na cadeia alimentar deste tipo de droga. No ano passado, cientistas da Universidade de Portsmouth descobriram que os peixes estavam contaminados com o antidepressivo Prozac. Este medicamento chega ao mar, utilizando o sistema de drenagem e consegue brincar com o cérebro dos peixes, segundo asseguraram seus pesquisadores. Também a cafeína tem a sua aparição estelar, que é liberado em nossas águas, mesmo tendo passado o processo de tratamento de águas residuais.
Por sua parte, os hormônios da pílula anticoncepcional são as responsáveis pela feminilizante de peixes, o que leva a peixes macho a produzir óvulos.
Os efeitos dos antibióticos, medicamentos para a pressão arterial e medicamentos redutores do colesterol em vida selvagem, também estão estudando atualmente em todo o mundo.
O coquetel de leite

Morrer por combustão espontânea

De que morreu Michael Jackson
Perto da morte
Um rastro de morte
Quem matou Caravaggio?
A morte da paixão
Morrer em direto
Psicólogos forenses
O caso é incomum, digno de arquivo X: o juiz de instrução Ciaran McLouglin, chegou-se à conclusão de que o homem de 76 anos, cujo corpo foi encontrado em seu domicílio de Galway, no oeste da Irlanda, que morreu por “combustão espontânea”. Assim o recolhe o parecer judicial que se tornou pública ontem. O corpo estava no chão, perto da lareira, o que fez pensar em um primeiro momento que a causa da morte, podia ser alguma faísca proveniente do fogo. No entanto, os investigadores forenses, comprovaram que a combustão se limitava à área onde estava o cadáver, não se tinha estendido ao resto da casa, que só estava enegrecida pela fumaça.
A combustão espontânea é um enigma científico, questionado até mesmo por muitos forenses que o ligam ao mundo paranormal. Os que defendem sua existência, dizem que é extremamente estranho, mas dizem que desde o século XVII, foram registrados cerca de 200 casos em todo o mundo. A primeira morte atribuída a essa causa, pegou em 1725 Jonas Dupont, em seu livro Sobre o fogo espontânea no corpo humano. Refere-Se ao caso da mulher de um cirurgião, cuja cabeça, parte da coluna vertebral e dos membros inferiores foram encontrados carbonizados. O curioso do caso é que a cadeira em que apareceu sentada estava intacta.
O Mito ou fenômeno inexplicado? André de Santiago, chefe de Anatomia Patológica do Hospital Clínico San Carlos de Madrid, não tem dúvidas: “A combustão espontânea estudava quando eu era residente, a ciência já demonstrou que não tem nenhuma base, não há nenhum fenômeno corporal que possa gerar 1.800 graus que são necessários para que o corpo combustione”.
A patóloga Grace Callagy e os forenses do laboratório de Dublin que excaminaron o cadáver do velho se limitaram a explicar os achados de autópsia. Devido à combustão, o estômago, os intestinos e outros órgãos tinham acabado, motivo pelo qual não puderam retirada do sangue ou a urina para fazer uma análise. O falecido não havia morrido de infarto. Os forenses não econtraron restos de hemorragia ou de morte por asfixia, já que não se achou carbono) ou fuligem nos pulmões ou na traquéia. No quarto também não se encontrou nenhum combustível, como a gasolina ou óleo de parafina. Nada de nada, apenas um corpo destroçado.
O desafio é saber se atrás houve uma substância mortal perfeita. André de Santiago aponta uma que se aproxima bastante a esta definição: o fósforo branco. Se você está usando o terrorismo e produz a calcinação do corpo sobre o qual se aplica. Por suas mãos passaram centenas de cadáveres. Na maioria dos casos achou a causa da morte e em poucos não. Os forenses irlandeses também não encontraram a causa da morte do jovem, que, de acordo com o juiz, combustionó espontaneamente.
Morrer por combustão espontânea

Celular não causa câncer

A pesquisa foi feita entre usuários que utilizavam muito o telefone

O móvel causa câncer?
2011 com menos câncer
O móvel causa câncer?
Um móvel anti-câncer
Você pode provocar câncer e o celular?
Com nove lados
Se ou não? Os cientistas continuam a investigar se o uso continuado de móveis causa ou não de câncer, e de momento parece que ganha não. O último dos estudos acaba de fazê-lo público, o British Medical Journal e tem o valor de que, pela primeira vez, investigou os efeitos a longo prazo sobre um grupo de população muito amplo.
Os cientistas do Instituto de Epidemiologia de Câncer de Copenhaga têm seguido a 358.403 usuários de celular durante 10 anos, que 10.729 desenvolveram um tumor. Depois de analisar os dados com a incidência e os tipos de câncer que foi diagnosticado com o resto da população dinamarquesa, chegaram a uma conclusão: não existe mais risco de desenvolver um tumor por usar muito tempo este dispositivo. Também descarta que as ondas eletromagnéticas que se irradiam os móveis aumentem a possibilidade de um câncer no cérebro, tal como havia sido apontado em alguns estudos.
As pesquisas foi lançado seis meses depois que a Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer, IARC, lance os móveis entre os agentes potencialmente cancerígenos. A agência, dependente da OMS, tomou esta decisão depois de analisar as pesquisas realizadas até então, mas recomendou continuar investigando para chegar a uma conclusão definitiva.
O primeiro estudo já chegou e desmente categoricamente a vinculação dos telefones com o câncer. Ainda assim, os próprios cientistas do Instituto de Epidemiologia do Câncer de Copenhaga dizem que há que continuar a investigar a questão: “Como o aumento do risco, tanto leve como um moderado, em pequenos grupos de usuários muito ativos durante um período mais longo do que 10 ou 15 anos, não pode ser descartada, estudos futuros devem assegurar uma análise mais abrangente, de tal forma que sejam minimizados os erros potenciais na classificação ou a parcialidade na seleção”. No mesmo sentido se manifesta o editorial do British Medical Journal que assinam os professores Anders Ahlbom e Maria Feychting, do Instituto Karolinska, da Suécia.
Celular não causa câncer

Estudar para viver mais anos

Cérebro 3D para estudar
Os exames são bons
Livros de texto o esotéricos?
De acordo com um estudo levado a cabo por cientistas anglo-saxões, as pessoas que têm uma menor preparação acadêmica envelhecem mais rápido do que as formadas. O estudo foi realizado através de amostras de sangue de 400 pessoas de ambos os sexos entre 52 e 75 anos.
O estudo, publicado na revista Brain, Behaviour and Immunity, vincula a saúde com o estatuto económico e social da pessoa. Os resultados colocam em evidência a necessidade urgente de realizar ações para evitar as marcadas desigualdades sociais, sobretudo no domínio da educação.
De acordo com a pesquisa, as famílias com menos recursos económicos têm tendência a fazer uma baixa atividade física e consumo de tabaco ou álcool. Em contrapartida, têm menores facilidades para o acesso a cuidados de saúde de qualidade (em alguns países, esta questão se acentua porque carecem de segurança social).
O líder do estudo, Andrew Steptoe, da Universidade de Londres, afirma que “a educação determina a classe social que as pessoas adquirem com a idade. Nossa pesquisa sugere que, em resultado da exposição prolongada a um estatuto social mais baixo, o que promove uma aceleração do envelhecimento celular”.
O segredo, ao que parece, está nos telómeros, que são as extremidades dos cromossomos, regiões altamente repetitivas do DNA não-codificante), cuja função é fornecer estabilidade estrutural dos cromossomos e o tempo de vida das estirpes celulares. Ou seja, os telómeros cobrem os cromossomas, protegendo-os assim de qualquer dano. Os telómeros são mais reduzidos são o indicador de um envelhecimento mais precoce. Os resultados concluíram que as pessoas com menos estudos tinham telómeros mais curtos, indicador de que estão envelhecendo mais rápido.
Estudar para viver mais anos

Operarse antes de nascer

Momento de intervenção no Hospital de La Paz

Felicidade via umbilical
Nascer em tempos de crise
O perdem a sensibilidade das mulheres, depois de ter sido mãe?
Andar com epidural
A primeira hora de vida de um bebê
Em 30 de março Alejandra (nome fictício) nasceu em duas vezes. Primeiro, ele puxou a cabeça e os bracitos, e depois o corpo inteiro. Alexandra foi a protagonista involuntário do peculiar parto para a vida ou a morte. Para salvar-lhe a vida teve que operar durante o trabalho de parto. A menina tinha uma massa no interior do tórax que rodeava a traquéia e comprimía um brônquio, o que lhe poderá impedir de respirar quando nascesse. Assim que os especialistas do Hospital de La Paz, em Madrid, encontraram uma solução: a prática de um parto do tipo EXIT (Ex-Utero-Intrapartum-Treatment), um exemplo de cirurgia extrema. A intervenção permite agir sobre o feto durante o nascimento mantendo a circulação placentaria e resolver problemas como o de Alexandra “incompatíveis” com a vida, na opinião dos especialistas.
Com um ultra-som e ressonância magnética detectam a malformação e, a partir daí agendados para a intervenção. O que fizeram na semana de 30 de gestação, uma vez que a Alexandra já poderia sobreviver. Lhe extraíram a cabeça e os braços com um processo muito semelhante a uma cesariana, deixando o interior do útero, o resto do corpo. Durante esse tempo, o útero permanece relaxado, não se corta o cordão umbilical e mantém a circulação placentaria, com o que o feto não precisa respirar. Nestas circunstâncias, o tempo é ouro. Em dez minutos de intervenção dos cirurgiões libertaram a via aérea da obstrução que tinha, e comprovaram com um endoscópio a permeabilidade do outro brônquio. Resolvido o problema, Alejandra já podia nascer. Sempre pode dizer que o fez duas vezes, ou em duas vezes.
Operarse antes de nascer

Os ESTADOS unidos experimentaram com prostitutas

A bactéria ‘Treponema pallidum’, que causa a sífilis.

Dança com história
distúrbios mentais
Sexo e vício em Estocolmo
Em 1945, acabou o terror nazista, mas algumas de suas práticas seguiram. Agora se soube que pelo menos 83 pessoas morreram na Guatemala, experiências que um grupo de cientistas americanos realizaram em enfermemos mentais, prostitutas e presos para testar a eficácia da penicilina e investigar sobre algumas doenças de transmissão sexual. Nos experimentos lhes inocularon doenças como a sífilis ou gonorreia, então conhecidas como “i ching” para cerca de 1.300 pessoas, segundo confirmou Amy Gutmann, a ministra-chefe da comissão que investigou o caso a pedido do presidente Barack Obama.
O escândalo foi divulgado em novembro do ano passado, através da investigação financiada pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos. A conclusão a que chegaram os pesquisadores, depois de analisar 125.000 documentos se resume em uma frase, sem papas na língua, do cientista Stephen Hauser: “Houve um esforço claro e deliberado de enganar os sujeitos dos experimentos”.
O objetivo de incocular a gonorreia era testar a eficácia de medidas preventivas, como alguns produtos químicos, e da penicilina por via oral. As pessoas que se transmitiu a sífilis, o objetivo era investigar as mudanças que ocorreram no sangue e no corpo. No total, os cientistas levaram a cabo cinqüenta experimentos diferentes com gonorreia e sífilis, que transmitiam as cobaias através de prostitutas infectadas ou de inoculando o agente patogénico que provoca.
Os ESTADOS unidos experimentaram com prostitutas