Há bebidas inesquecíveis

Álcool para fazer amigos
álcool e sexo
Estresse, álcool e outras razões
Bebidas gourmet
Bebidas ao microscópio
A ciência da barriga de cerveja
As fresas protegem o estômago
O prazer de saborear um bom vinho experimenta 60% da população adulta portuguesa, que declara beber álcool regularmente.
Esta “confissão” em massa nos coloca na sétima posição do ranking de consumidores em todo o mundo. A culpa têm os romanos, que foram os primeiros a produzi-lo e perfumarlo com ervas. Depois chegaram os árabes, descobridores dos segredos da destilação, após eles, um professor da universidade de Montpellier, que ganhou diversos destilados que aplicou na medicina. Não demoraram a encontrar suas virtudes para satisfazer o paladar humano.
Hoje, cada português bebe, em média, 10 litros de álcool puro por ano. Deles, 5,8 são de vinho e espumante, 2,8 destilados, como o whisky e a genebra, e 1,4 litros são de cerveja. Saúde.
As taças em números
Saudável: 40 por cento dos espanhóis assegura a não beber álcool durante uma semana normal.
A falta de hábito de beber álcool continua sendo mais comum entre as mulheres (63%) e os jovens de 18 a 29 anos (42%).
Os que bebem habitualmente costumam tomar duas bebidas alcoólicas por semana.
83% dos jovens que saem de zonas de copas nos fins de semana reconhece consumir álcool, e 43% consome bebidas de alta graduação.
A cerveja é a menos consumida pelos seguidores da garrafa: apenas 7,8 %.
O álcool é responsável por 40% das mortes por acidentes de trânsito, 46% das mortes por homicídios e 25% dos suicídios.
Efeitos do álcool
Absorção
É rapidamente absorvido no estômago e passa para o sangue. Começa a fazer efeito é de, aos 5 ou 10 minutos.
Visão
Deteriora certas terminações nervosas, entre elas, as do nervo óptico, que transmite a imagem normalmente, esta é a razão de que se veja duplo.
O fígado em ação
É o fígado, o que elimina o álcool, e o faz a uma velocidade, não superáveis, de 6 a 7 gramas por hora, o que equivale a meia lata de cerveja a cada hora.
Rins
O etanol que contém o álcool é um diurético que faz com que os rins não reabsorban líquido. Dessa forma, a bexiga se enche com muita facilidade.
Palpitações
O coração precisa bombear mais sangue, para fazer chegar de oxigênio para o cérebro. Por isso, aparecem as palpitações e aumenta o risco de acidente cardiovascular.
Diminuição de açúcar no sangue
Pode reduzir a quantidade de açúcar –uma das principais fontes de energia do cérebro– no sangue. Beber muito, sem ter comido nada em pouco tempo esgota os hidratos de carbono no fígado.
Vómitos
Em sua viagem do esôfago ao estômago, o álcool produz uma molestísima acidez, que pode terminar em vómitos ou refluxo gastroesofágico.
Fracasso sexual
Mas parece que uma dose estimula o desejo, o certo é que o seu abuso impede o correto fluxo de sangue até o pênis, e a consequência é o temível gatillazo.
O dia depois
Mal-estar geral
Após uma noite de bebedeira, o corpo tem que conseguir recuperar o equilíbrio químico, e isso leva pelo menos 24 horas.
Tremores
O álcool estimula a produção de insulina faz com que se reduzam os níveis de glicose no sangue. Estes baixos níveis são responsáveis de ocorrência de tremores.
Dor de cabeça
A desidratação no cérebro afeta os neurotransmissores, o que, unido a uma dilatação dos vasos sanguíneos, produz enxaquecas e dores de cabeça.
Sem apetite
Às 24 horas provoca a chamada progressiva, dado que pequenas, ou depósito de gorduras. Como o fígado quer metabolizar rapidamente o álcool, esquece-se de remover os lipídios (gorduras e triglicérides) no sangue, e isto provoca uma sensação de saciedade.
A longo prazo
Cirrose
O consumo abusivo durante longos períodos afeta principalmente o fígado, e pode provocar cirrose.
No pâncreas
Gera acúmulo de gordura nas células,o que pode inflamar o pâncreas e produzir dor. Embora este remeta, a lesão pode ser irreversível.
Anemia
Para metabolizar o etanol são consumidos vitaminas, e isso produz hipovitaminosis. Descem os valores de ácido fólico e de ferro, e chega a produzir anemia.
Câncer
Por cada 20 gramas de álcool consumidos diariamente aumenta o risco de câncer na cavidade oral 19%, de faringe 24%, e de laringe 30%.
Osteoporose
Na mulher provoca menopausa precoce e aumenta o risco de osteoporose.
Falsos tópicos
O álcool é um estimulante e tem um importante efeito energético. NÃO
É perigoso para o coração e pode chegar a danificar a musculatura cardíaca. SIM
O álcool alimenta, não só engorda. Abre o apetite e aumenta o desejo sexual. NÃO
O álcool é eliminado antes com chuveiros de água fria, tomando café, fazendo exercício ou vómito. NÃO
Há bebidas inesquecíveis

Cuidado, falsas vitaminas

Inventam uma malha cirúrgica bioativa
Do Castelo à farmácia
Será que a crise melhora a saúde?
De acordo com um estudo levado a cabo por investigadores da Universidade Nacional de Sun Yat-Sen (Taiwan), os suplementos vitamínicos ou nutricionais que mais da metade da população consome, podem não apenas causar os efeitos desejados pelos consumidores, mas também provocar efeitos adversos sobre a saúde. É a conclusão a que chegou a equipe do Dr. Wen Bin-Chiou ao finalizar o estudo.
Segundo informa a BBC, em uma pesquisa realizada nos Estados Unidos, os cidadãos americanos declaram consumir porque “são boas para a saúde”. Além disso, os dados mostraram que a cada dia aumenta o índice de consumo destes produtos baseados em minerais, aminoácidos, vitaminas, coquetéis ou combinados de proteínas. Os números do mercado mundial a respeito alcançam um índice de aumento a cada ano de 5%, mas de 39% nos últimos dez anos. O que também não parece ser bastante impressionante se tivermos em conta a grande variedade de produtos desta gama que os fabricantes destes “remédios” têm no mercado.
Segundo afirma o Dr. Wen, “as pessoas que confia no uso de suplementos dietéticos (para proteger sua saúde pode estar pagando um preço escondido: ter a idéia errada de que é imune aos problemas de saúde e tomar decisões erradas no que ao seu bem-estar refere-se”.
O estudo, publicado na Psychological Science, conta o processo que levou a equipe do Dr. Wen a essas conclusões. Separaram dois grupos de pessoas. Cerca de lhes forneceram complexos dessas substâncias. As outras um placebo. Ao final do estudo, foi comprovado que as pessoas que acreditavam ter tomado suplementos nutricionais, se sentiam mais “invulneráveis” para os problemas de saúde do que os que acreditavam que tomaram um placebo. Por isso escogían andar menos, comer sem ter em conta todos os elementos necessários para a dieta e com excessos ou outras condutas que possam resultar até mesmo “imprudentes” para a saúde.
O certo é que, como indica o Dr. Wen, não parece evidente que o aumento destes compostos seja diretamente proporcional ao aumento da saúde pública.
Cuidado, falsas vitaminas

Vacina contra o infarto

Uma nova vacina que poderia estar disponível em 5 anos reduz o risco de ter um ataque cardíaco a 70% (em ratos). Foto: Creative Commons

Há tumores de coração?
Chocolate para o coração
O coração tem memória?
Um quilo já não pesa mil gramas
Os baixos têm pior do coração
O infarto agudo do miocárdio ocorre em consequência de uma falta de irrigação sanguínea, com dano tissular, em uma área do coração, devido, geralmente, a obstrução de uma artéria coronária por um coágulo. Infelizmente, é a principal causa de morte no mundo, as quais “são cobrados 17,3 milhões de vidas por ano”, segundo a OMS. Felizmente, os avanços em cardiologia parecem seguir em linha reta para uma correcta e eficaz prevenção do ataque cardíaco. Na última conferência de Biologia Cardiovascular do Imperial College, de Londres, realizada no passado mês de março, pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, anunciou uma nova vacina que poderia ajudar a evitar os ataques do miocárdio.
O segredo da vacina, que poderia dispensar-se em spray ou vacina, é o fármaco que contém. Este dispõe de um anticorpo (BI-204), o qual se encarrega de estimular o sistema imunológico do organismo, para assim poder produzir anticorpos que impedem a acumulação de gordura nas artérias, que é o que predispõe o organismo a um ataque cardíaco. O objetivo dos tratamentos farmacológicos atuais se baseiam em tentar reduzir os níveis de colesterol e ter controlada a pressão arterial, mas esta vacina confere um ‘extra’ novo de grande importância: pode reduzir a acumulação de gordura das artérias em 70% (os primeiros testes em ratos). Estes depósitos de gordura que se formam nas artérias coronárias, faz com que estas se estrechen e até mesmo se fechem, o que implica que nosso organismo terá que trabalhar para bombear mais sangue, ação que pode resultar em um ataque cardíaco.
A vacina, catalogada como CVX-210, está atualmente em desenvolvimento pela CardioVax e entrou já no processo de aprovação regulatória, com o objetivo de iniciar os ensaios clínicos. Por sua parte, o seu formato em spray nasal ‘batizado’ como BI-204, e em breve será testado em 144 pacientes nos EUA e Canadá.
Segundo informam os pesquisadores, de se confirmar a sua eficácia em ensaios clínicos, a vacina poderá estar disponível em cinco anos. Até agora, os tratamentos atuais reduzem os riscos em 40%, mas continua a existir um 60% dos pacientes que precisam de soluções.
Vacina contra o infarto

As magrinhas podem fumar

Lei antifumo
Os acidentes vasculares cerebrais caem 12%, com a Lei Antifumo
Eletricidade do tabaco
fumar cachimbo
Com o fumo em outra parte
Desde quando você fuma?
O tabaco é servido com as mulheres
Como todo mundo, as meninas magrinhas, eles devem deixar de fumar, mas se estão pensado em engravidar o tabaco não lhes resta possibilidades. Um único cigarro por dia diminui a fertilidade de mulheres com excesso de peso ou obesidade (55% do total), enquanto que entre as que têm um peso normal, as chances de gravidez apenas se reduz a partir dos 16 cigrarrillos diários.
Estes efeitos ocorrem entre as mulheres que têm um peso normal, isto é, que têm um Índice de Massa Corporal, IMC entre 20 e 25, e não entre as excessivamente magros, que têm os mesmos problemas que as que sofrem de excesso de peso, explica Álvaro Ruiz Zambrana, da Clínica Universidade de Navarra. No entanto, o especialista adverte que, embora o tabaco não incide sobre a fertilidade, “tem-se observado uma relação direta com o aumento de aborto durante o primeiro trimestre”.
Os estudos que se têm feito até agora sobre os efeitos do peso e de alguns hábitos, como o tabagismo ou o consumo de álcool na fertilidade demonstram que as fumadoras passivas com excesso de peso também têm problemas para engravidar. Isso sim, podem continuar consumindo cafeína, sempre e quando não tomar mais de dois cafés diários, de acordo com a revisão dos estudos realizados que fez o doutor Zambrana. Acima deste limite diminui à metade a possibilidade de uma gravidez.
As magrinhas podem fumar

Genoma anticâncer

Mieloma múltiplo

câncer não dorme
câncer a fundo
Células canibais
Câncer de olho
Comparar a sequência do genoma de células saudáveis e cancerosas de 38 pessoas com diagnóstico de mieloma múltiplo (um agressivo câncer de sangue) para criar um mapa molecular com o que saber o que está indo errado com esta doença.
Este avanço, publicado em um artigo na revista Nature, pode servir para criar novos medicamentos mais eficazes contra o câncer e determinar qual vai ser a resposta de alguns pacientes a drogas que estão sendo testados atualmente para outros tipos de cânceres.
Até à data, tinham sido realizados muitos estudos em que se analisou em detalhe apenas uma amostra de câncer. Os responsáveis do artigo publicado recentemente, uma equipe de pesquisadores liderados por Todd Golub, diretor do programa de câncer do Instituto Broad, nos EUA, conseguiram o primeiro publicado análise de vários genomas completos do mesmo tipo de câncer.
De acordo com Golub, a simples sequenciamento do genoma de um tumor não oferece a informação necessária, já que ele precisa olhar através de muitos genomas do câncer e poder descobrir, assim, as mutações que são recorrentes em baixas freqüências para poder obter padrões emergentes.
No entanto, terá que esperar mais tempo até que se possam obter resultados práticos. Atualmente, não há nenhum ensaio deste tipo de medicamentos neste subgrupo de doentes com mieloma múltiplo em marcha, embora Golub indica que há discussões em curso. “O campo avança de tal forma que esperamos sequenciamento de muitos milhares de genomas de diferentes tipos de câncer nos próximos anos”, destaca o especialista.
Genoma anticâncer

Alerta de ‘súpergonorrea’

Neisseria gonorrhoeae, agente causador da gonorréia. Foto: Creative Commons

A malária vem do gorila
Sem kit de viagem
Você cria um vírus letal?
Não é um segredo que, com o passar do tempo, as bactérias estão cada vez mais acostumados com os antibióticos. Isso, infelizmente, se traduz em uma resistência de várias doenças a esta classe de fármacos, como é o caso da “preocupante cepa desúpergonorrea” de que se fez eco da OMS, que foi recentemente encontrada no Japão e que foi classificada de perigosa, pois “pode resultar em um problema de saúde global”.
Essa bactéria se espalhou por todo o mundo, segundo alerta da Organização Mundial da Saúde e os especialistas advertem que, além de ser resistente à maioria dos tratamentos medicamentosos, a doença continua a evoluir. Isso preocupa os pesquisadores, já que pode vir a tornar-se impossível tratamento. Além disso, os seus sintomas são escurridizos, o que torna difícil o seu diagnóstico e, portanto, mais fácil o contágio. Segundo declarou Manjula Lusti-Narasimham, da OMS, em uma conferência de imprensa: “Sem investigação sobre novos agentes antimicrobianos, logo poderia não existir tratamento eficaz para os pacientes. Estamos preocupados com relatórios sobre o fracasso da última opção de tratamento eficaz”.
A gonorréia é uma das quatro maiores doenças de transmissão sexual e afeta, anualmente, mais de 100 milhões de pessoas. Geralmente é tratada com antibióticos, embora já se tenha apreciado a doença causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, fazia-se cada vez mais resistente, não só os antibióticos, mas também à penicilina. A gonorréia é uma doença da qual não se preocupar, que dado o alerta da OMS é mais do que conveniente elevar as medidas de segurança nas relações sexuais. A bactéria pode danificar os órgãos reprodutores, produzir esterilidade, endometrite, salpingite e doença inflamatória pélvica. “Se não for curada, a infecção pode causar problemas de saúde graves, até mesmo em recém-nascidos.”.
Já foram registrados casos dessa estirpe em países como Austrália, França, Japão, Noruega, China, Suécia e Reino unido. Nestes dois últimos, os problemas de resistência “aumentaram drasticamente”, de acordo com Narasimham.
Segundo os cientistas que estão estudando o caso “não existe um plano B” para o seu tratamento, pelo que avisam a todos os países de que é importante aumentar a fiscalização para evitar e retardar a evolução da bactéria.
Alerta de 'súpergonorrea'

Soluções mais jogos a Mente em forma

O jogo do século. Basta somar os valores e girar 180 graus da calculadora. A palavra século será visível na tela.
Pequeno-almoço expresso. Brinde 1 cara e torrada 2 lado A. Torradas 1B e 3A. Torradas 2B e 3B.
Equação de golfe.

Estrutura molecular. Desta forma, todas somam quinze.

Odisseia no espaço. Quando se inicia o minuto de descanso te diriges ao setor 2. Justo antes de que se cumpra o minuto das meia-volta e voltar para o setor 1. O guarda solicitado o passaporte virtual. Dizes que não o tem e, deste modo, vai forçá-lo a voltar para o setor 2.
Cozinha profissional. 4 bolos e 3 fornos.
O desafio de Diana. 36 (verde) 9 (verde) – 23 (vermelho) = 22.
Flores raras. Os números que faltam são 10, 20 e 40), já que em todos os casos, são o resultado de multiplicar o número da pétala anterior de espinhos: 5 X 2 = 10, 10 X 2 = 20, 20 x 2 = 40.
Onde ficamos? Na terceira. Tomando como referência os dados fornecidos, a primeira regra elimina a possibilidade de fumar nos apartamentos de um, dois, quatro e seis. A segunda elimina a planta quinta.
Fator solar. De acordo com o tempo de exposição e o fator protetor, tem afetado mais a João (77 minutos/5 = 15,4). Marta 45/3= 15. Julho 180/15= 12. Adriana 120/10= 12.
Soluções mais jogos a Mente em forma

Assim evolui nosso cérebro

De acordo com o responsável do grupo de Paleoneurobiología dos Hominídeos, do Centro Nacional de Pesquisa sobre Evolução Humana (CENIEH), Emiliano Bruner, existem duas áreas de nosso cérebro que mantêm uma estreita relação em relação a alterações anatômicas que experimentam: quando uma muda, também o faz com a outra. Estas áreas são a frontal e parietal. A primeira controla, entre outras, a cognição e as capacidades psicológicas, enquanto a parietal é a que nos dá a visão do mundo em que vivemos e nossa relação com ele.
“Isto é muito importante no estudo da evolução humana– comenta Bruner– porque, analisando os fósseis vimos na anatomia das espécies extintas do gênero humano, que quando você alterar uma dessas duas áreas, muda também a outra. O mesmo padrão que encontramos nos fósseis, o encontramos ao analisar o cérebro dos humanos que vivemos agora”.
A pesquisa também permitiu avaliar as diferenças entre o cérebro do homem e o da mulher e obter um resultado surpreendente: apesar da diferença de tamanho entre o cérebro de homens e mulheres, a forma do cérebro é a mesma. “Isso é muito raro porque, em geral, quando há diferenças de tamanho na capacidade craniana, existe também uma geometria diferente – explica Bruner–. No entanto, o fato de haver correlação entre fatores como o sexo e a anatomia, não significa que, conhecendo, por exemplo, o sexo de um indivíduo vamos saber como você vai responder a nível psicológico ou cognitivo”.
O interessante deste achado é que esta relação não pode ser aplicada a outras regiões do cérebro. Bruner realizou este trabalho com a colaboração de Manuel Martín – Niterói, da Universidade Complutense de Madrid e de Roberto Colom, da Universidade Autónoma de Madrid e os resultados foram publicados no Journal of Anatomy.
Assim evolui nosso cérebro

Patarroyo: vacinas a 12 cêntimos

Patarroyo, na Casa de América de Madri

Tuberculose no momento
Laser contra a malária
Tutancâmon morreu de malária
Menos mortes por malária
A malária vem do gorila
O fim da malária?
Vacinas
Outras vacinas
Sua entrada em cena não tem nada que invejar a de Oscar. Brilhante, expressivo, mas sem excessos, e com um domínio perfeito do cenário, o imunologista colombiano Manuel Elkin Patarroyo, anuncia o próximo objetivo científico de sua equipe: uma vacina contra a tuberculose e outra contra o Plasmodium vivax, o mosquito que transmite a malária. E em carteira, outras possíveis contra a dengue e a leismaniosis.
Seus projetos se multiplicam desde que publicasse no Chemical Rewiew os princípios imunológicos com os que hipoteticamente poderiam ser elaboradas vacinas sintéticas, pela primeira vez a partir de átomos do micróbio. “É um método universal, uma nova e poderosa ferramenta para estudar qualquer vacina sintética”, assegura Patarroyo. Diz que a receptividade de seus colegas cientistas foi tão boa que várias instituições já entrou em contato com ele para se oferecer para colaborar. Falta que os projectos se concretizem.
O plano que tem dedicado toda a sua vida, a conseguir uma vacina contra a malária, em contrapartida, é quase uma realidade. Tem até data: 2016. Em junho do ano que vem começará os ensaios clínicos em humanos depois de que a vacina sintética tenha demonstrado uma eficácia superior a 90%, em macacos. “E falamos de protecção total, ou seja, de absoluta ausência de parasitas no sangue”, afirma “sem ânsia de crítica” com relação às desenvolvidas por outros cientistas que consideram que as suas obras tem “proteção total quando 1 em cada 2.000 glóbulos vermelhos infectados”.
A vacina será subcutânea e seu preço ridículo, cerca de 12 cêntimos de euro por dose. O que está claro é que “tem de chegar à humanidade, ao mínimo custo”, por isso, cedeu os direitos de exploração da OMS e se recusou a tentadora oferta de 74 milhões de euros que lhe pagavam pela patente. Não especifica quem nem se tem a ver com o fabricante de outra vacina de eficácia limitada”, segundo Lancet, a bíblia das revistas médicas.
Patarroyo: vacinas a 12 cêntimos

O cólera que assola o Haiti

Vírus da raiva

Probióticos contra a úlcera
2011 com menos câncer
Células anti-rugas
Japão ultrapassa nestes momentos as outras catástrofes do planeta, mas isso não significa que tenham desaparecido. É o caso do Haiti: as estimativas oficiais são subestimado a epidemia de cólera que afeta os seus habitantes, o que poderia traduzir-se em milhares de mortos, mais se não forem tomadas medidas para isso. Assim o assinala um artigo publicado na revista The Lancet.
Frente às estimativas propostas pelas Nações Unidas de 400.000 casos de cólera no Haiti este ano, o estudo, baseado em modelos matemáticos, prevê 779.000 casos e 11.100 mortes entre 1 de março e 30 de novembro.
Os responsáveis pelo trabalho, uma equipe de vários centros científicos norte-americanos, liderados por Jason Andrews, da Harvard School of Public Health, em Boston (EUA) também sugerem que a combinação das estratégias de controle da doença, como um melhor acesso à água potável, a vacinação oral e o uso generalizado de antibióticos poderia impedir de 170.000 casos de cólera e 3.400 mortes.
De acordo com o modelo, uma redução de 1% no consumo de água contaminada evitaria 105.000 casos de cólera e de 1.500 mortes, enquanto que a vacinação de 10% da população evitaria 63.000 casos e 900 mortes. Além disso, o uso preventivo de antibióticos em todos os casos graves e em metade dos pacientes com doença moderada poderia evitar 900 casos e 1.300 mortes.
O estudo lembra que o recente declínio dos casos de cólera no Haiti não é o resultado de intervenções eficazes que são utilizados atualmente, mas o curso natural da epidemia.
O cólera que assola o Haiti