Comer pt marte

exercito de marte
Marte na Terra
As espirais marcianas
Nuvens em marte
robô em marte
As dunas de Marte
Vá a Marte
Quando chegará o homem a Marte? Quando soubermos como alimentar os astronautas. Não é um exagero, garantir o aporte energético e de nutrientes da tripulação é uma das chaves que você tem que resolver, dada a longa duração da missão, três anos. Há que encontrar um equilíbrio entre as necessidades de saúde da tripulação e as limitações da missão. Explica César Alonso Rodríguez, do Centro de Instrução de Medicina Aeroespacial de Madrid: “É necessário que os alimentos tenham bom cheiro e sabor, e que sejam de fácil digestão. Além disso, é fundamental reduzir o peso e o volume tanto de alimentos como de suas embalagens, que estes sejam de fácil preparação da tripulação, que não irá interferir em planos de trabalho e que gerem a menor quantidade de resíduos”.
Em balsa espacial das refeições são selecionadas cinco meses antes do seu voo e preparam-se três meses antes do lançamento. Embora possa parecer que a sua duração é por tempo indeterminado, sabe-se que um ano depois de preparados os alimentos perdem vitamina A, ácido fólico, tiamina e toda a vitamina C. São fatores-chave na nutrição dos tripulantes, porque “a exposição ao ambiente de mocrogravedad envolve a circulação dos fluidos corporais e para a parte superior do corpo, produzindo congestão facial e nasal, diminuição do olfato, o que contribui para o ambiente de cabine com maior nível de concentração de CO2 com o calor e a frequente desorientação espacial”, garante César Alonso.
Segundo os especialistas que participaram do Congresso da Sociedade brasileira de Endocrinologia e Nutrição, o grande desafio consiste em criar embalagens fechadas, que possam manter a frieza e a esterilidade dos alimentos, e que sejam leves ao mesmo tempo. Também se investiga como reproduzir as condições de luz, temperatura, umidade e concentração de CO2 e de fertilizantes para poder reutilizar produtos excretados pelo homem, como o água para cultivar legumes ou cereais em ambiente diferentes da superfície terrestre”.
Comer pt marte

A diabetes é herdado

Cura para a diabetes
Diabéticos e sem fio
Podem instituir sonhos
Se o seu pai seguiu uma dieta alta em gordura, você tem mais chances de desenvolver diabetes tipo 2. Assim, verificava há pouco tempo um estudo publicado na revista Nature, que mostra pela primeira vez que um fator não genético, a alimentação, o que pode transmitir o homem para a próxima geração.
Para chegar a essa conclusão, os responsáveis do estudo, liderados por Margaret Morris, da Universidade de New south Wales, em Sydney (Austrália), realizaram um experimento com ratos. Alimentaram os exemplares macho com uma dieta alta em gorduras, o que lhe produziu uma grande obesidade e intolerância à glicose, a base do problema de diabetes. Depois de cruzar com fêmeas normais, e as suas crias do sexo feminino foram também diabéticas.
Em princípio, o estudo só prova que essa transmissão ocorre de os progenitores homens a suas filhas, mas Morris acredita que este risco seria o mesmo com filhos.
Até agora, sabia-se que os pais com obesidade e / ou diabetes são mais propensos a ter filhos que desenvolvem as mesmas condições, quer por um maior risco genético ou por uma inadequada dieta da mãe durante a gestação. No entanto, este estudo indica também a responsabilidade dos pais homens por fatores ambientais.
A diabetes é herdado

Amigo, você é único

Como o sexo é o fim da amizade?
A ciência do riso
Como ser feliz ao 32
Amigos sem direito a fricção
Felicidade e longevidade
Não é nenhum segredo que uma boa amizade oferece muitos motivos para ser feliz. Outra coisa é saber como funciona o seu bálsamo sobre nós, uma questão que abordou uma pesquisa que dá uma resposta um tanto surpreendente. A amizade promove a aceitação pessoal da singularidade de cada um, o que contribui para a felicidade individual”, explicam os autores do estudo publicado na revista Journal of Happiness Studies. Ou seja, que nossos amigos nos fazem felizes, porque nos faz sentir únicos e valiosos.
A conclusão é mais importante para a comunidade científica do que parece. Outros trabalhos anteriores “abordaram a singularidade como o reflexo de traços que distinguem um dos outros, enquanto apontavam que poderia representar um fator de risco para o bem-estar psicológico do indivíduo”, diz o artigo.
Os pesquisadores chegaram à idéia oposta, depois de estudar a experiência de quase 2.500 estudantes divididos em três grupos. Estatisticamente, a sensação de singularidade, acabou por ser o mediador mais significativo entre a amizade e a felicidade individual. Claro que o conceito de felicidade é muito subjetivo, uma dificuldade que os pesquisadores chegaram a medir a felicidade de cada um dos três grupos com escalas diferentes. Para sua alegria, os resultados foram os mesmos nos três casos.
O estudo foi realizado entre os alunos da universidade norte-americano do Arizona, do Norte, que tem trabalhado junto à turca Arel de Istambul, e a idade média dos participantes foi de cerca de 18 anos. Por isso custa aplicar, sem reservas, os seus resultados a qualquer pessoa. Com tudo, a tentativa de explicar o mecanismo pelo qual a amizade nos faz felizes, aponta para um interessante caminho para a ciência. Suas descobertas “representam o primeiro passo empírico para a compreensão da importância da singularidade, a partir de uma perspectiva humanística, no bem-estar psicológico dos indivíduos”, conclui o artigo.
Amigo, você é único

O Tirarías alguém trem?

A música e o cérebro
Bisturi contra as obsessões
Assim influencia um irmão
Mais de 60 dilemas como esse, se colocam em um vídeo de divulgação que foi elaborado a catedrática de Bioquímica e Biologia Molecular da Universidade de Navarra, Natalia López, sob o título: Os segredos de seu cérebro. O vídeo contém a reação humana a difíceis decisões semelhantes à apresentada no título, como as reacções recolhidas diante de sujeitos que se encontram com a situação em que um trem que vai levar por diante a cinco trabalhadores da via. Neste caso, os sujeitos que participam no estudo têm a opção de manipular as agulhas e desviar o trem para uma via onde há apenas uma pessoa. A realização desta ação seria um dano indireto, mas, por outro lado, evitar um mal maior.
O resultado? A grande parte das pessoas que participaram do estudo, optou por mover os ponteiros. De acordo com assegura López: “neste caso, decidir requer dois segundos a mais, tanto se a resposta é afirmativa ou negativa para mover os ponteiros”. E é que, aparentemente, tem-se observado que as áreas do cérebro encarregadas de desempenhar as funções de análise e de pesar os prós e os contras, desta vez é muito mais intensa que a área encarregado de processar as emoções: “Enquanto o frontal esquerdo processa de forma mais sistemática e lenta -por exemplo, uma reflexão, ainda que breve, nos move ou não a uma ajuda solidária às vítimas desconhecidas de catástrofes em países distantes-, o hemisfério direito processa de forma mais intuitiva, global e rápida. Assim, sentimo-nos urgidos a socorrer alguém em perigo. Salvo patologias, ambos os sistemas estão ligados e atuam de forma harmônica”.
As 60 questões levantadas, eles são um agrupamento de resultados, que foram publicados em revistas científicas como Neuron ou Natureza e seus objetivos são informar o que sabe, hoje em dia, a Neurociência sobre o funcionamento do nosso cérebro. Segundo parece: “estas evidências científicas apontam hoje para o modo em que está registrado no cérebro humano o princípio natural, e, por isso, universal, de não fazer aos outros o que não quero para mim. É como um detector que provoca a emoção automática de satisfação ao ajudar e desgosto por danificar. É uma intuição natural que guia, sem determinar a conduta, um atalho emocional em situações em que estão em jogo vidas humanas e você tem que decidir de forma direta e imediata”.
Ao fim e ao cabo, é isso que nos diferencia dos animais: a capacidade de discernir e, em consequência, decidir. Os animais, seu instinto só permite acertar, não tem a capacidade de escolher. Mas, em contrapartida, as pessoas que se nos coloca desafios, dúvidas e dilemas que vamos ter que agir. Nessas acções de nossos sentimentos, sempre afloram.
Você pode ver o vídeo aqui
O Tirarías alguém trem?

Células antirugas

Imagem do filme “O curioso caso de Benjamin Button”

Lifting de ossos
Autorreparação celular
O caráter se envelhece
Desde há milhares de anos, o homem tem-se preocupado obsessivamente de sua imagem usando todas as ferramentas que tinha ao seu alcance: flores, óleos, resinas, coisas indescritíveis e outros pomadas para tentar evitar o que parecia inevitável: o envelhecimento.
Hoje, os cientistas espanhóis e americanos deram mais um passo, para remover de uma bofetada todos os potingues mantidos em nosso armário de banheiro: o elixir da eterna juventude. De acordo com a publicação da revista Nature, a equipe liderada por João Carlos Izpisúa, conseguiu parar o envelhecimento das células pertencentes a pessoas doentes de progeria, uma doença extremamente rara que provoca um envelhecimento precoce a idade infantil, o que provoca a crianças vítimas de problemas de saúde comuns na velhice: osteoporose, trombose, ataque cardíaco…
A equipe de Izpisúa com esta investigação, não só demonstra que com uma placa de cultivo pode controlar o passo do tempo, mas também um novo modelo para analisar e estudar no brasil, e, por sua vez, afeta a velhice para o nosso organismo. Com isso, o problema da nossa sociedade cada vez mais obcecada com o juvenismo ficaria resolvido, mas sem dúvida, o avanço científico de tudo isso é o novo método descoberto por esta equipa de cientistas para poder tratar doenças degenerativas ou não associadas com a idade.
Para que nos entendamos: nesta pesquisa, participam dois atores principais, umas células-tronco com características pluripotentes (conhecidas como iPS) e a reprogramação celular. O que fizeram esses cientistas é conseguir dar marcha-atrás no relógio biológico e, assim, fazer com que uma célula, uma vez mais, consiga reiniciar e voltar ao seu estado inicial. O que fizeram foi apagar a presença da doença em que as células e as novas, começou a agir como se fossem saudáveis e não tivessem um passado sombrio, o incrível verdade?.
De todas formas, por agora, a pesquisa segue o seu curso, já que ainda estas novas células, quando chegam à idade adulta voltam a desenvolver problemas em seus núcleos e, com isso, todos os efeitos da velhice. De acordo com Izpisúa esta descoberta abre a porta para poder estudar os mecanismos genéticos da velhice.
Acaso imaginam chegar aos 80 anos com a aparência de quando tínhamos 25? Continuar informando.
Células antirugas

A gripe A híbrida

Gripe A polemica
Vacina geral contra gripe A
O Google prevê a gripe?
a crise das vacinas
A gripe A pode estar “preparando” uma nova pandemia mais letal, de acordo com um artigo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).
Segundo seus autores, uma equipe da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Agrícola da China, se o H1N1, o vírus que provoca a doença, e o vírus H9N2, que é encontrado em aves de capoeira na Ásia, infectaran simultaneamente em um mesmo indivíduo, seja um porco ou humano, os vírus poderiam trocar genes e gerariam um híbrido que pode ser mais perigoso para os seres humanos do que qualquer um dos dois vírus separadamente.
Os pesquisadores, liderados por Yipeng Sun, exploraram esta possibilidade através da dissecação dos vírus influenza H1N1 e H9N2 e a mistura sistemática de genes de cada vírus para gerar 127 vírus híbridos.
A equipe da Sun testou os vírus híbridos em ratos para determinar se a recombinação genética entre o vírus H1N1 e o H9N2 poderia criar um vírus de proporções pandémicas. Mais da metade dos vírus híbridos permaneceu instantaneamente os ratos e replicaron de forma mais eficiente, ao igual que as cepas dos pais, segundo os cientistas chineses. Além disso, oito dos híbridos foram mais virulenta que uma das duas linhagens parentais.
Os especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) sugerem que a gripe pandémica H1N1, que teve o seu apogeu há dois anos, está agora em uma fase “pós-pandêmica” e circula como uma gripe sazonal. No entanto, os resultados do artigo publicado na PNAS sugerem que o vírus ainda pode representar uma ameaça significativa para a saúde pública se ocorre a recombinação genética, de acordo com seus autores.
A gripe A híbrida

A cesta mais ecológica

Comida de ficção científica
Com a comida sim jogar
Por que a comida não tem sabor?
Em plena discussão sobre se os alimentos tem perdido o seu sabor e seus poderes nutricionais por causa da industrialização, um dos grandes supermercados biológicos online de Portugal, EnterBio, acaba de publicar os alimentos que mais se vendem no seu site. Os dados foram coletados dos pedidos realizados nos últimos seis meses. São estes:
Carne moída de bovino Avileña-Negra Ibérica. Carne de agulha, aleta e saia proveniente de Cenicientos, limítrofe com Ávila.
Ovos biológicos Avega Categoria A, classe M. De galinhas alimentadas com rações 100% provenientes de cereais biológicos certificados. Da Galiza.
Bananas. De Canárias, cultivado de forma ecológica, sem usar produtos químicos nem pesticidas de síntese.
Peito de frango inteira Sanchonar. Proveniente de frangos criados em semi-liberdade durante 90 dias em Segóvia, livres de hormônios, medicamentos e alimentados com cereal sem transgênicos ou agrotóxicos.
Leite integral UHT Puleva. Leite integral produzida e embalada na Galiza, proveniente de agricultura biológica.
Cenouras. Proveniente de Andaluzia.
Abobrinhas. Cultivados em Múrcia.
Presunto Serrano Extra inteiro Luís Gil. Porco de produção biológica criados no Vale de Ocon (La Rioja). O corte e masajeado é feito um a um, salgado, frio e posterior secagem em adega.
Azeite de Oliva Extra-Virgem (Dendém da Avó). Azeite de oliva Extra-Virgem (cornicabra 95% e camomila 5%) de primeira extração a frio, produzido em Aranjuez.
Macarrão de farinha de trigo Branca Ecolecera. Macaroon ecológico proveniente de trigo cultivado por Ecolecera nas terras do campo de Belchite (Aragão).
A cesta mais ecológica

Adelgaza con cérebro

A dieta sem dieta
A dieta do futuro
A que horas comer?
Não conte as calorias
Sem alimentos proibidos
Amigos para não engordar
Durante seis meses, 26 mulheres obesas ou com excesso de peso incluíram em suas dietas dois tipos de shakes: saborosos e calóricos, ou insípidas e sem calorias. Uma equipe de pesquisadores do Departamento de Psicologia da Universidade do Texas acompanhou, através de ressonância magnética funcional, as áreas do cérebro que são ativadas quando uma refeição gosta, e descobriu que as mulheres que tomaram mais quantidade de batidos calóricos e ganharam mais peso eram aquelas que apresentavam menos ativação essas áreas do lazer. Este aparente paradoxo tem a sua explicação. A hipótese é a de que o ser humano, quando come, recebe uma compensação, já que os alimentos que lhe causam prazer. Aqueles a quem o alimento lhes produz menos satisfação tendem a pegar mais peso porque tendem a consumir mais para conseguir essa gratificação indispensável. Comer com gosto, ao contrário do que diziam as nossas avós, ajuda a não querer comer mais. E este é apenas um dos mitos que se desbaratan com as novas pesquisas em nutrição.
Somos máquinas de transformar energia. O mecanismo é tão completo que até tem um sistema de segurança. Parte da energia do alimento é armazenado em forma de gordura no tecido adiposo, para o caso de fazer falta mais tarde. Mas em que quantidade? A resposta tradicional diz que, se há excesso de nutrientes é armazenada, e se não há, se queima. No entanto, esta explicação fica para trás quando, em igualdade de condições, algumas pessoas acumulam gordura e outras não.
É o cérebro que decide o que fazer com o excesso de comida, se queimá-lo ou armazená-lo. Um estudo publicado em 2002, descobriu o mecanismo.
O sistema nervoso simpático envia receptores beta-androgênicos que ativam os tecidos encarregados de queimar gordura, principalmente o tecido muscular e a misteriosa gordura marrom.
O tecido adiposo marrom, ao contrário do que o seu equivalente branco, dedica-se a queimar nutrientes. Está presente nos bebês, e agora foi descoberto que os adultos têm de depósitos desse tecido em volta do pescoço, e que podem ser ativados por exposição ao frio. Esta “gordura que queima gordura” é a responsável de que os esquimós consomem enormes quantidades de calorias e não engorden.
Mente gorda e magra
O cérebro também pode fazer-nos propensos a engordar. O professor Tamas Horvath, da Faculdade de Medicina de Yale (EUA), comprovou que o cérebro de ratos obesos funciona de forma diferente ao receber uma refeição de alta em calorias. A parte encarregada de enviar os sinais para parar de comer (saciedade) e começar a queimar calorias funciona mais lentamente. Ou seja, alguns cérebros são vulneráveis à obesidade e outros resistentes, o que
pode ser determinado pela influência da mãe nas primeiras fases do desenvolvimento fetal.
Existe um distúrbio psicológico chamado ingestão compulsiva que afeta pessoas que comem sem freio como resposta a emoções negativas. Os comedores compulsivos tendem a terminar obesos, embora nem todos os obesos são comedores compulsivos.
A dieta atual, em que reina a comida lixo, parece projetada para modificar nossos neurônios. Os sabores intensos disparam os mecanismos de recompensa do cérebro e reforçam o comportamento compulsivo.
O doutor Kessler, da FDA, chama estas refeições “hipersabrosas”, e acha que as mudanças que provocam na química do cérebro estão por trás da epidemia de obesidade no mundo desenvolvido.
Se o cérebro é o responsável pelos desejos, pode haver formas de controlá-los. Em um recente estudo da universidade Carnegie Mellon, ela convidou os sujeitos do experimento a que se imaginaran a si mesmos comendo as famosas barras de chocolate M
Adelgaza con cérebro

Uma cura para todos os vírus

Todd Rider, o criador de Draco
O comunicado de imprensa do MIT diz, textualmente, DRACO tem o potencial para revolucionar o tratamento e a prevenção de todas as doenças virais, desde o resfriado comum até o Cérebro. O que é Draco? E, mais importante ainda é possível? Pois parece que sim. Todd Rider é científicos do Laboratório Lincoln de Química, Biologia e Nanotecnologia do MIT. Lá foi criado um antiviral de amplo espectro, DRACO induzindo, de modo seletivo a apoptose celular (o suicídio da célula) aquelas que contenham vírus bicatenarios (dupla hélice). Isso quer dizer que você pode enfrentar, de forma eficaz com praticamente qualquer vírus… E ele o fez.
Draco mostrou ser eficaz contra 15 tipos diferentes de vírus, entre eles o do resfriado, a gripe N1H1, o reovirus (estômago), a poliomielite, dengue e outros vírus hemorragicos. Também, por se fosse pouco, e isso é igualmente importante, demonstrou não danificar 11 tipos de células de diferentes espécies (ser humano, macacos, ratos) e diferentes tipos de órgãos (coração, fígado, pulmões e rins).
Rider relata um dos experimentos no qual um rato infectado com uma dose letal de N1H1 sobreviveu graças ao anti viral. O equipamento científico está testando DRACO contra outros vírus para avaliar o seu verdadeiro potencial. Será esta a panacéia? Como a cura de todas as doenças? Por isso em breve, assim se chama o projecto de investigação de Rider.
A pesquisa foi publicada na PLos ONE.
Uma cura para todos os vírus

Como ser feliz ao 32

Prever o fracasso escolar
Uma ‘app’ mede a felicidade
A estatura condiciona a sua vida
O chorar encurta a vida?
Pense em todas as horas que dedicaste de adolescente a lidar com a impaciência do professor de matemática ou a memorizar os infinitos períodos da literatura espanhola. Agora compare as duas com o tempo que dedicaste a tua equipa de futebol, os ensaios de teatro ou se gabar de suas aventuras diante de seus amigos. Se os resultados são bem compensados você está de parabéns, provavelmente você vai ter um trabalho socialmente valioso e você vai se sentir muito feliz com a sua vida. E é que, se o cultivo do intelecto se torna mais interessante, a conexão social que você fornece abundante bem-estar na idade adulta. Exatamente quando tiver 32 anos, segundo um estudo publicado pela revista Journal of Happiness Studies.
A pesquisa não é exatamente o passatempo de uma chata comunidade de vizinhos. Trata-Se do Estudo multidisciplinar sobre saúde e desenvolvimento Dunedin, que busca analisar a conduta e a saúde de 1.037 pessoas nascidas na Nova Zelândia, entre 1972 e 1973. Todos eles chegaram a cumprir 32 anos, e não todos os que o fizeram serviram para a análise. Ao final, a trajetória de vida de 804 miseráveis, pletóricos e razoavelmente satisfatório participantes ficou registrada nos questionários. O “bem-estar adulto” devia-se mais às boas relações sociais durante a infância e a adolescência que a um bom desenvolvimento acadêmico.
A relação “entre as conexões sociais da adolescência e o bem-estar geral mais de uma década depois, ilustra a relevância duradoura das relações sociais”, explicam os autores no artigo. Sim, dez anos não são nada, e a realidade continua dependendo do prisma que se olhe. Os pesquisadores do projeto da Universidade de Otago, identificaram o “bem-estar adulto” com quatro aspectos: o sentido de coesão social, a habilidade para resolver problemas, a participação social e a atitude prosocial, que inclui a “generosidade, ser digno de confiança, a simpatia, o civismo e a confiança”.
Não se preocupe se você não coincides com a perspectiva dos pesquisadores. O estudo começou na década de setenta, e ainda não existe uma teoria sólida que explique o desenvolvimento do bem-estar, uma fórmula infalível para a felicidade. “O propósito do estudo era examinar um modelo de bem-estar que se estendesse para além de medidas mais tradicionais, como a do desejo-satisfação como a satisfação com a vida, a segurança ou outro indicador potencial de sucesso”.
“Muita da infra-estrutura cognitiva necessária para explorar e consolidar os valores, por exemplo, a tomada de perspectiva e a lógica compreensiva, se forja através de interações em um contexto social. Desta forma, um potencial mecanismo que faz a ligação social, ao bem-estar futuro pode ser a maturação de sistemas de valores prosociales capazes de estruturar formas saudáveis de nos relacionarmos com nós mesmos, com os outros e com o mundo”, explica. Mas por que obtemos bem-estar da interação social positiva continua a ser um mistério. Os próprios autores do estudo deixam claro que não pretendem que seus dados forneçam uma conclusão firme.
Como ser feliz ao 32