¡Pergunta em nome de QUO!

A equipe de Imprensa do CSIC, gravando uma pergunta feita por vós em um debate anterior.

Quatro golpes anti-idade
Por que a mulher vive mais
Calcule sua idade biológica
Sua verdadeira idade
Estudar para viver mais anos
Desde 2009, o Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC) organiza debates de divulgação com a ajuda de QUO. O UHULL convoca dois especialistas espanhóis (de sua equipe de pesquisadores ou de outras instituições), onde ambos discutem sobre questões científicas tão a pé de rua, como a energia atômica contra as renováveis ou o possível perigo ou não o uso de telefones celulares. Esses debates são transcritas e se transformar em um pequeno livro (editora Da Cachoeira) que recolhe também as outras perguntas dos cientistas e dos meios de comunicação que assistem.
Desta vez é a vez do envejecimento: o que nós chamamos de envelhecer? É o mesmo ficar doente do que o de envelhecer? O que é e como intervém a degeneração celular? Todas essas questões e as decorrentes das debatem amanhã, 7 de junho de 2011, dois vultos na matéria: a Dra Maria Blasco (Centro Nacional de Investigações Oncológicas, CNIO) e o Dr. Julio Peres (CSIC), que vai começar com uma apresentação de cerca de 15 minutos para que o debate posterior seja mais longo e enriquecedor.
Como participar
De todas as perguntas que enviam, escolheremos duas, faremos os especialistas, e colgaremos suas respostas em vídeo, mencionando que o leitor de QUO é o autor. O único que você tem que fazer é deixá-lo na caixa de comentários abaixo ou em nosso fórum de Facebook. Você tem até amanhã, 7 de junho de 2011 às 14,00 horas!
Se quiser perguntar com maior conhecimento de causa, leia nosso recente reportagem sobre o envelhecimento, a Sua verdadeira idade.
¡Pergunta em nome de QUO!

Estão novos neurônios

Neurônio. Foto: Creative Commons.

Como tomamos decisões
Os circuitos do medo
Cannabis contra a epilepsia
Em 2020, cérebro artificial
O ritmo, uma questão neural
De acordo com um estudo publicado na revista Nature Neuroscience, uma dieta alta em gordura em ratos pode vir a causar um aumento na produção de novos neurônios em uma região do cérebro que regula os hábitos alimentares e o apetite. De se encontrar um mecanismo semelhante em seres humanos, esses achados poderiam apresentar um novo alvo para o tratamento da obesidade.
No nosso caso, o hipotálamo, uma glândula endócrina do nosso cérebro, é responsável por muitos processos metabólicos do nosso organismo, inclusive regular a fome, o apetite e a saciedade. Segundo a equipe de pesquisadores liderados por Seth Blackshaw, esses novos neurônios não são produzidos no mesmo hipotálamo, mas em uma região conhecida como eminência média, localizada na parte inferior do hipotálamo e que é a via final de comunicação com a hipófise anterior. Também descobriram que a produção desses novos neurônios são maiores que aqueles ratos que foram alimentados com uma dieta alta em gorduras. Se bloquear a informação destas novas neurônios, os ratos ganham muito menos peso com um alto consumo de energia, mesmo quando se alimentam com esta dieta alta em gorduras.
Desde há muito tempo, o consumo de alimentos ricos em gorduras tem sido associado a vários problemas de saúde, incluindo a obesidade. Os resultados deste estudo sugerem que alguns destes efeitos podem ser mediados pela formação de novos neurônios hipotalámicas que armazenam o excesso de energia em forma de gordura.
Estão novos neurônios

Verão com praga de mosquitos

Mosquitos
Como escolhem os mosquitos com tanta precisão a quem aguilhão?
O mosquito que faltava
O calor se previa, o que não suponíamos é que ele ia chegar acompanhado de pragas de mosquitos, de acordo com a previsão da Associação Nacional de Empresas de Controle de Pragas Anecpla. A chuva interminável que ocorreram durante a primavera produziu uma atmosfera de umidade, “o melhor caldo de cultura” para a proliferação de mosquittods durante o verão. A presidente desta associação, Milagres Fernández de Lezeta, explica que “colocam seus ovos em locais úmidos, e ao subir as temperaturas, as larvas se reproduzem com mais facilidade”.
Assim, preparados para a praga, porque Portugal está encharcada de norte a sul pelas chuvas. A solução que terão pensado alguns, é não ir ao campo ou ir pertrechado com um arsenal de repelentes. É uma alternativa, mas não a solução, porque Anecpla indica que estes insetos, que buscam as fontes de calor, luz e humidade, provechan de qualquer espaço de água estagnada para proliferar “, incluindo os pratos de animais de estimação, canais ou brinquedos com depósitos de água”.
Para conter a praga recomendam não deixar potes, tambores ou baldes com água no exterior das casas, evitar água parada nos jardins e não deixar à vista alimentos ou restos de comida ou lixo.
Verão com praga de mosquitos

Localizam as ‘neurônios Bolt’

O atleta jamaicano Usain Bolt é uma lenda da competição / © Usain Bolt

Qual é a origem da enxaqueca?
Um cérebro para todos
Precisamos acreditar?
É verdade que só usamos 10% do cérebro?
Pronto como um golfinho
O corpo de Usain Bolt se transforma em um alto-falante que lança mensagem alta e clara no início de cada corrida. “Não vos tenho medo, não pode parar. Vou ganhar a todos”, parece dizer através de sair do corpo. Todos os seus adversários compreendem as suas mensagens. O que eles não sabem é que, enquanto seu aspecto exterior envia sinais intimidatorias, os neurônios de sua casca cingulada anterior (CCA) já tomaram a saída da carreira especial que caracteriza a conduta competitiva. É nesta área situada atrás dos olhos, onde cada atleta decide se todos os sacrifícios valem a pena chegar a ser o mais rápido, o mais alto e o mais forte.
A região do córtex frontal do cérebro já havia ligado para a tomada de decisões, mas a sua relação com a competitividade não se teve em conta até agora. “Isso é um tanto surpreendente, dado que este tipo de esforço predomina em a natureza e a CCA parece bem posicionada para codificar o esforço do competidor social”, indicam os investigadores que tenham atingido a conclusão em um experimento com ratos de laboratório, cujo trabalho tem chegado ao público através da revista Nature Neuroscience.
No caso dos atletas olímpicos a meta é a medalha de ouro, com toda a glória que traz consigo. No caso de os ratos que participaram do experimento de cientistas da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, a concorrência dirimiría quem levava a boca mais cereais cobertos de chocolate.
Os cientistas enfrentaram os animais a diversas provas que podiam conseguir um prêmio pequeno, sem ter que lidar com um congênere e a outras situações em que a competência seria necessária, mas o prêmio seria maior. Enquanto isso, a medida da atividade de neurônios da CCA.
Os ratos agredían e empujaban seus adversários como se fosse uma luta de boxe. Também teciam estratégias para afastar a comida de seus adversários, como em um jogo de xadrez. Mas somente aceitavam competir se consideravam que a análise de custo benefício que lhes era favorável.”Os neurônios da CCA eram sensíveis a mudanças sutis na força do oponente, e registravam os ratos dominantes ou muito motivadas como uma opção de muito esforço e pouco benefício”, continua o artigo.
Os resultados da pesquisa “teoria fornecem um vislumbre do que pode acontecer no nosso cérebro, porque sejamos atletas olímpicos muito competitivos, ou se você apenas compitamos pela última passadeira do ginásio”, explica a pesquisadora Kristin Hillman. Além disso, o sinal neuronal captada nos experimentos “, pode ser importante tanto para direcionar o comportamento competitivo como para manter-se longe de situações de risco em que, apesar de que a recompensa pode ser grande, o custo potencial é muito elevado”, conclui.
Localizam as 'neurônios Bolt'

Ratos andam paraplégicas

O roedor com o chicote que lhe ajuda a caminhar na reabilitação. Foto: Science.

O Último trânsito de Vênus
As primeiras gêmeas ibéricas
Adeus tomates insípidas
Material novo ‘desafio’ do MIT
Estão novos neurônios
Um dos grandes desafios da medicina continua sendo devolver a mobilidade a pacientes com lesões medulares ou outras paraplejias ocasionadas por traumatismos, doenças congênitas, como a espinha bífida, ou outras causas. Se bem que ainda não se encontrou uma solução para estas doenças no ser humano, um grupo de pesquisadores suíços conseguiu que ratos com categorias ocultas conseguir voltar a andar, o que representa um novo passo para encontrar novas e mais eficazes formas de reabilitação em seres humanos.
O estudo que foi publicado na revista Science, mostra como os roedores voltaram a andar depois de um tratamento de reabilitação combinado com um cinto de robotizado (como pode ser visto na foto acima) e estimulação eletroquímica. Após duas semanas de tratamento, “os ratos não apenas começavam voluntariamente a andar, mas que também podiam podiam correr, subir escadas, desviar de vários obstáculos que se lhes apresentavam”, na revista Science, explica o coordenador do trabalho: Grégoire Courtine.
Não é o primeiro, não obstante, que consegue devolver a mobilidade nas patas traseiras a um grupo de ratos, mas a espanhola Almudena Ramón, pesquisadora do CSIC, já realizou uma proeza semelhante no ano 2000, que foi publicado na revista Neuron. No seu caso, a técnica foi através do transplante de células glía hospedados naturalmente no bulbo olfativo.
Como aplicar o tratamento para que fosse dinheiro?
Em primeiro lugar, os investigadores suíços tomaram como referência um grupo de ratos que possuíam lesões medulares semelhantes às que causam a categorias ocultas em humanos.
Para realizar a estimulação eletroquímica, os cientistas administraram drogas em ratos com o objetivo de ativar os neurônios substituindo a função dos neurotransmissores responsáveis por coordenar a mobilidade dos membros inferiores. Passados 10 a 20 minutos da administração, os pesquisadores estimularam eletricamente a medula com os eletrodos que haviam sido implantados anteriormente na mesma. Desta forma, a equipe conseguiu reativar os neurônios responsáveis por controlar as pontas, neste caso, traseiras, de ratos. Mas, além disso, conseguiu-se uma coisa mais: preparar os neurônios para assim conseguir formar novas conexões neurais.
Após isso, os pesquisadores equiparam os ratos com uma espécie de “veste” o qual estava conectado a um braço robótico que servia de apoio para os roedores. Uma vez ligada ao sistema que a ajudaria a andar, faltava o mais importante: o doce que ajudaria o rato para iniciar a marcha de forma voluntária. E assim aconteceu: presas pelo cinto do braço robótico, os roedores conseguiram não só controlar as patas traseiras, mas, conforme passavam os dias do tratamento, também subir e descer escadas, pular, e fazer todas aquelas proezas necessárias para obter a guloseima. De acordo com Courtine, em dados: “Estamos falando de uma recuperação da mobilidade quase de 100%”.
Uma das coisas que demonstra este estudo é que seria possível reformar o nosso sistema de circuitos neuronais da medula até o nosso precioso cérebro. O coordenador do trabalho, Courtine, define isso como “nova ontogenia”, pois é como viver pela segunda vez a fase de crescimento de um recém-nascido. Também sugere que, em breve, uma técnica semelhante pode ajudar a recuperar a mobilidade de pessoas afetadas com lesões medulares. Um incentivo a mais para continuar pesquisando um dos desafios médicos mais estudados.
Ratos andam paraplégicas

Mamba negra contra a dor

Como Se extinguem as cobras?
Cobras de verão
Lagartas que se disfarçam
Mitos do reino animal
Na pele da serpente
A Dendroaspis polylepis, mais conhecido como Mamba negra, a que Tarantino levou definitivamente para a fama em forma de assassina, não escapa da ficção na vida real: é a serpente mais venenosa de todo o continente africano. Apesar disso, seu veneno pode ser usado para melhorar a qualidade de vida de pacientes que sofrem de dores severas por doenças de difícil tratamento, como o câncer, já que, surpreendentemente, seu efeito analgésico é muito mais poderoso que a morfina.
O estudo, levado a cabo por cientistas franceses publicado na revista Nature, explica que esta predatória contém em seu veneno com uma substância formada com proteínas analgésicas conhecidas como mambalginas que estão sendo testadas atualmente em ratos com resultados muito encorajadores. Além disso, as mambalginas produzem muito menos efeitos secundários que a morfina, como a dependência ou dores de cabeça.
Por agora o estúdio está em uma fase muito preliminar e não foi testado o efeito em seres humanos. De acordo com declarações à BBC, do dr. Eric Lingueglia, do Instituto de Farmacologia Molecular e Celular de Nice, “a forma como actua a dor é muito semelhante em roedores e de outras pessoas, e esperamos poder desenvolver medicamentos que possam ser utilizados em humanos”.
Mamba negra contra a dor

Ginecologia machista e função neurológica

Uma das ilustrações denunciadas

O perdem a sensibilidade das mulheres, depois de ter sido mãe?
Andar com epidural
Mulheres pouco inteteligentes e de aspecto abandonado. São as protagonistas das histórias, da Gazeta Eletrônica da Sociedade Espanhola de Ginecologia e Obstetrícia, SEGO, a organização científica que agrupa os ginecologistas. Conforme tem denunciado a associação O Parto é Nosso, os desenhos que aparecem na revista corporativa é mostrado uma imagem “, baseada em estereótipos machistas e misóginos”.
Em uma das ilustrações aparece uma mulher com um prolapso do útero, uma doença que consiste no deslizamento do útero para a cavidade vaginal, e em outras é suprimida a mulher da cena do parto, mostrando apenas seus órgãos genitais. O médico é o protagonista absoluto e a mulher, segundo O Parto é Nosso, “se mostra como um ser inferior, pouco inteligente e de aspecto abandonado”.
A associação entrou em contato com a SEGO para pedir que retirem as ilustrações da publicação oficial da sociedade, já que, além de desprezar as mulheres, também desprezam as recomendações da OMS sobre o nascimento, como o consentimento informado. Em um comunicado, a organização se surpreende de que as ilustrações, com pretensões humorísticas, “não tenham provocado repulsão entre os ginecologistas” e que “ninguém tenha escandilizado”.
Ginecologia machista e função neurológica

Como se mede a motivação

Esse truque não funciona mais. Atualmente, a maioria dos especialistas consideram que as compensações materiais por uma ação ou tarefa bem feita não é um método de estimulação realmente eficaz.

Efeitos do riso
Por que somos impulsivos
Mais felizes com as irmãs
A roda da motivação
A psicóloga Beatriz Valderrama substituiu a pirâmide anterior por uma roda. Ela representa os dez fatores que nos impulsionam e nos estimulam a enfrentar os desafios. Esta roda, complementada com o teste de cem perguntas, mede quais são os principais fatores de motivação de uma pessoa.

Você é solidário ou se move ao ambição
Não a todos nos motivam as mesmas coisas. Assim, enquanto as ações de Gandhi eram guiadas pelo desejo de libertar seu povo, as de Napoleão eram por sua ânsia de poder e de mostrar o seu talento como estrategista militar. Beatriz Valderrama, diretora da consultoria de Alta Capacidade e autora de Motivação Inteligente, explica que incentiva a dez tipologias humanas diferentes muito reconhecíveis.
Como se mede a motivação

Grandes cérebros das mães

Será que algo acontece se a mãe e o feto são de diferente grupo sanguíneo?
Sua gravidez em 3D (I)
O tamanho do cérebro depende do aporte de energia realizado pela mãe durante a gestação, de acordo com um artigo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).
Os responsáveis do artigo, liderados por Robert Barton, do Departamento de Antropologia da Universidade de Durham (Reino Unido) usaram-se os métodos estatísticos mais modernos para correlacionar o tamanho do cérebro, o tamanho corporal, o aporte energético derivado da maternidade, e as variáveis da história de vida em 128 espécies de mamíferos com placenta.
Os pesquisadores descobriram que a relação entre o tamanho do cérebro e o do corpo se reflete no investimento energética realizada durante a maternidade. Além disso, a taxa metabólica da mãe previu o crescimento pré-natal do cérebro, mas não o realizado depois do nascimento.
Ao contrário de algumas teorias da evolução do cérebro, os pesquisadores encontraram pouca relação entre o tamanho do cérebro e as variáveis do ciclo biológico, tais como a duração do período juvenil do animal ou vida útil.
O estudo também encontrou evidências de uma relação inversa entre o crescimento do cérebro e o corpo, ou entre o crescimento do cérebro e o tamanho da ninhada. Os autores concluem que as correlações entre o tamanho relativo do cérebro e dos traços de história de vida são secundárias ao investimento decorrente da maternidade e às limitações de disponibilidade de energia, um resultado que pode levar à reavaliação de muitas das afirmações sobre a evolução do tamanho do cérebro dos mamíferos.
Grandes cérebros das mães

Como caçam os óvulos, espermatozóides

Espermatozóides
Comparação de todos os fornecedores de espermatozóides
Espermatozóides não tão machos
Os espermatozóides ‘colocados’
Esperma de laboratório
O esperma tem detector
Criam um ovário artificial
O lento nascer de um óvulo
Ovário artificial
Os óvulos se aproveitam de que os espermatozóides são doces e começam todos os dias joão graças a uma mólécula-de-açúcar. Assim começa a fertilização, conforme foi descoberto um grupo de pesquisadores do Imperial College de Londres, liderada por Anne Dell. Os pesquisadores descobriram que sua carcaça é formada por uma cadeia de açúcares (SLeX) que ajudam o espermatozóide a aderir, por isso têm chamado este fenômeno de “óvulo pegajoso”. A diretora do trabalho, Anne Dell, explicou que “os detalhes que foram descobertos completam uma enorme lacuna no conhecimento da fertilidade e espera-se que, finalmente, ajudar a muitas das pessoas que atualmente não podem conceber”.
A infertilidade afeta cerca de 20% dos casais, mas tem solução, na maioria dos casos, apenas 4% não chega a dilucidarse a causa da infertilidade. Segundo as estatísticas da Clínica Ginefiv, entre os 96% restantes, a causa será dividido por igual entre a mulher, o homem e uma combinação dos dois membros do casal.
Como caçam os óvulos, espermatozóides