O pepino espanhol: culpado

Bactérias como avatares
Hambúrgueres com bactérias
Plasma contra bactérias
Para mostra basta uma bactéria
A pomba da diarreia
Oito casos para House
Alemanha encontrou um culpado pela morte de três pessoas por uma infecção causada pela bactéria Escherichia coli: o pepino branco português. A ministra da Saúde de Hamburgo, Cornelia Prüfer-Storks, explicou que os cientistas encontraram evidências de que o foco da infecção, são três pepinos importados de Espanha, e um quarto, de origem desconhecida, está pendente de análise no Instituto de Higiene de Hamburgo. Embora o causador da infecção tenham sido os pepinos espanhóis, a poluição é possível que se produza na Alemanha, segundo reconheceu o porta-voz de Saúde e Consumo do Executivo comunitário, Frédiric Vincente: “podia dar-se o transporte ou a distribuição para as lojas na própria Alemanha”.
A bactería chega aos legumes, normalmente, através do esterco líquido com o que pagam os campos. A Escherichia coli é freqüente no intestino do gado bovino e suíno. Através das fezes passa para os legumes e destas para as pessoas afetadas. A outra opção é que o fizesse através da carne, “mas esta é mais improvável dado que a bactéria morre a temperaturas de mais de 60 graus, um nível que costuma ser superados quando se cozinha”, explica João José Picasso, chefe de Microbiologia Clínica do Hospital Clínico San Carlos de Madrid.
A bactéria Escherichia coli, a mesma que provoca a diarreia do viajante que sofreram tantos turistas, o que é comum no intestino humano, embora a causa das mortes seria uma mutação muito pouco frequente: a 0104H4. Seiscentas pessoas sofreram seus efeitos e mais de quarenta tiveram que ser hospitalizadas por sofrer de diarréia sanguinolentas. O problema com que se encontram os especialistas é que, além de ser a assassina, a infecção é difícil de controlar, já que a bactéria é resistente à maioria dos antibióticos.
Enquanto aclaram-se as causas, o medo de que tiver estendido na Alemanha levou alguns a questionar-se se é possível que a infecção chega a estender-se, dentro e fora do país, como se fosse uma gripe. A verdade é que é praticamente impossível, porque a doença só pode ser transmitida pelo contato com as fezes de uma pessoa infectada.
A ineficiência da maioria dos antibióticos para combater a doença se une a um segundo problema: quando as bactérias morrem, liberam as toxinas que contêm. Assim que a medicina convencional contra as infecções, acabar com o agente que causa, neste caso, é quase tão ruim quanto a própria infecção. “Estas toxinas obstruem os capilares menores e causar falta de oxigênio no rim, entre outros sintomas, o que dá lugar a um síndrome urémico que o rim deixa de funcionar com normalidade”, diz João José Picasso. Os casos mais graves registrados na Alemanha sofreram esta síndrome que, em muitos casos, deixa lesões irreversíveis.
O pepino espanhol: culpado

Dormir para adelgazar

Juanjo Desejo QUO deixou que continuasse dia-a-dia para o seu tratamento contra a obesidade. Em dois anos perdeu cerca de 50 quilos.

A tribo obesos
Animais dormindo
Juanjo pesa 134 quilos, o dobro do que o ideal
Tirar a horas ao sono reduz os benefícios de seguir uma dieta, de acordo com um estudo publicado na revista Annals of Internal Medicine. Seus responsáveis, uma equipe da Universidade de Chicago (EUA) analisaram a dez voluntários com excesso de peso, que seguiam uma dieta. Os indivíduos que dormiam de forma adequada, uma média de oito horas e meia, passou mais da metade de gordura. No entanto, os que dormiam menos só conseguiam descer uma quarta parte de gorduras.
Os cientistas, liderados por Plamen Penev, descobriram também que os voluntários que reduziram as horas de sono produziram maiores níveis de grelina. Este hormônio estimula o apetite, reduz o gasto de energia, promove a retenção de gordura e aumenta a produção de glicose. Por seu lado, os voluntários que dormem o suficiente não registraram mudanças em seus níveis de grelina.
De acordo com Penev, os resultados em pessoas que dormem pouco podem ser ainda piores, já que durante o estudo, todos os voluntários foram controlados de forma estrita e não lhes foi permitido ingerir calorias extras.
Dormir para adelgazar

Menos mortes por malária

85% das mortes ocorrem em menores de 5 anos

Laser contra a malária
Tutancâmon morreu de malária
A malária vem do gorila
É verdade que a tônica foi inventado como uma vacina?
Uma de cada três mortes por malária que são registrados a cada ano (781.000) poderiam ser evitadas com artesunato, um medicamento que custa 1.40 euros mais do que o quinino, o que é agora usado para tratar os casos graves da doença. A OMS e organizações como Médicos sem Fronteiras fez um apelo internacional para que possam beneficiar-se dele os 8 milhões de pessoas, a maioria crianças, que correm risco de morte. A maioria dos 225 milhões de casos de malária que são registrados a cada ano não são mortais, mas 4% destes, em torno de 8 milhões, acabam evoluindo para malária grave. Todas as mortes são registradas entre estes últimos, com sintomas que afetam órgãos vitais do corpo, como os pulmões, os rins ou o cérebro.
De acordo com o relatório de Médicos sem Fronteiras “Malária servera: mudança de rumo” o custo de mudar de um medicamento por outro está âmbito da comunidade internacional: “Tratamento com artesunato em vez de com quinino todos os casos de malária severa representaria um custo adicional em medicamentos de 31,8 milhões de dólares por ano, e com isso se salvarías cerca de 195.000 vidas por ano”. Não é o fim da malária, mas se um passo de gigante no tratamento. A OMS já alterou seus guias clínicas para recomendar o novo fármaco, e alguns países como Guiné, Níger ou em Uganda, já anunciou que o utilizarão, mas a iniciativa defronta-se com sérios problemas. Os primeiros, económicos, de acordo com o relatório de Médicos sem Fronteiras, porque a mudança de um fármaco por outro “é visto como uma ameaça econômica para a produção local de quinino, que representa uma importante atividade econômica em vários países endêmicos”.
A isto há que juntar, que “os gestores e prestadores de cuidados de saúde não costumam saber das últimas evidências científicas”, um problema que também afeta muitos dos profissionais de saúde. “Muitos médicos continuam convencidos de que o quinino é o melhor tratamento para a malária severa”, aponta o relatório. E isso apesar de que os efeitos secundários deste fármaco incluem tonturas, anemia e, em alguns casos, problemas cardíacos, e é difícil de gerir, porque as doses devem ser calculados com precisão, tendo em conta o tamanho da pessoa. A overdose pode causar cegueira permanente, convulsões e coma. Por isso, os Médicos sem Fronteiras conclui seu relatório assim: “urge elaborar, sem demora, um plano internacional de apoio à mudança de rumo na luta contra a malária severa”.
Menos mortes por malária

Livros de texto o esotéricos?

O último em ‘eBooks’
Livros (‘cool’) de cozinha
Qual é o livro mais caro?
O último em livros
De acordo com uma recente pesquisa conduzida pela Unidade de Gestão do Conhecimento do Hospital de Baza em Granada, 25% dos textos (um de cada quatro mensagens) relacionados à Saúde dentro dos livros escolares, não são baseados em qualquer tipo de evidência científica, como, por exemplo, “respirar pelo nariz, em vez de por a boca evita constipações”.
O estudo, publicado na revista BMC Public Health, compilou a informação alojada nos livros escolares de Granada desde 1 de março de 2006 a 1 de junho de 2007. Do total de 844 mensagens analisados, 61% se classificou com um nível desconhecido de provas, e 15% deles correspondiam à categoria em que se conhece o nível de certeza científica.
Mas, em contrapartida, um 24,6% não manifestava nenhuma evidência científica conhecida por nenhum cientista no seu perfeito juízo: “depois de comer não nades, o processo digestivo pode ser alterado e você pode sufrír um corte de digestão” e até mesmo algumas mensagens chegavam mais longe e iam contra a realidade científica: “Diante de uma lesão muscular você sempre tem que guardar repouso” ou “você tem que desinfetar as feridas com água oxigenada”.
Em suma, mais de 70% dos e-mails que estão relacionados com dietas, nutrição, higiene dos alimentos, tabaco, AIDS, etc., são baseadas em um nível desconhecido de evidência. Um pouco acima, com 35% se encontravam as mensagens sobre gravidez e bebês e em 37%, as afirmações mais certeras de saúde que os pequenos podem ver em seus livros, as relacionadas com a saúde bucal.
De acordo com Inês Mª Bairro Cantalejo, principal autora do estudo, “os Nossos resultados sugerem a necessidade de estabelecer normas que indiquem a professores ou outros editores de livros escolares como selecionar as mensagens de saúde. Isso facilitaria a aquisição de conhecimentos verdadeiros sobre esta matéria em escolares”.
Livros de texto o esotéricos?

Fabricar um olho

© M. Eiraku and Y. Sasai, Centro RIKEN de Biologia do Desenvolvimento

O Debatimos sobre células estaminais?
Célula mãe então o que?
Células em 3D
A ciência dos transplantes
A arte de criar órgãos
reprogramacion células mãe
Apesar dos avanços na medicina regenerativa, produzir órgãos a partir de células vivas continua a ser um objetivo instalado na ficção científica.
No entanto, um estudo publicado hoje na revista Nature, deu um salto quantitativo para a sua realização. Uma equipe de pesquisadores de vários institutos e universidades japonesas dirigidos por Mototsugu Eiraku foi reproduzido uma retina completa de rato em laboratório. Mas não dentro de um animal, mas um cultivo isolado de células-tronco embrionárias. Essas células começaram a se diferenciar em diferentes partes que formam a retina, as internas e as externas, até chegar a configurar uma estrutura tridimensional em que surgiram até mesmo fotorreceptores (equivalentes aos nossos cones e bastões). Assim se formou o tecido mais complexo, elaborado com engenharia genética até o momento.
A primeira utilidade do procedimento, se conseguem culturas que funcionam a longo prazo, seria estudar a resposta da retina à luz, mas já contempla também uma aplicação prática para os humanos. Em um comentário na mesma edição da Nature, os especialistas neste campo Robin Ali e Jane Swoden avaliam o achado e aventuram-se que, se reproduz a experiência com culturas humanos, poderíamos usar retinas artificiais geradas a partir de células-tronco de pacientes para investigar doenças e testar medicamentos. Um passo a mais, levaria à criação de fotorreceptores artificiais destinados a transplantação. Hoje em dia, a maioria de toda a cegueira sem cura se devem à perda destas células, e não afetam o restante da estrutura do olho.
Fabricar um olho