Prevenção em comprimidos

O novo uso do medicamento deve contribuir para aumentar a prevenção da infecção pelo HIV

Liderança contra o HIV
Gel vaginal contra a AIDS
Avanços contra a Aids
Matar células com HIV
Os avanços médicos contra a infecção do VIH têm permitido que a AIDS, a doença que provoca o vírus da imunodeficiência humana quando não se controla, tenha passado a ser a epidemia mortífera que apareceu nos anos 80 a uma doença crónica, quando se trata corretamente. Mas o risco de infecção não desapareceu, como também não o fez, a necessidade de antecipar o seu contágio, avitando comportamentos de risco. Isso sim, a partir de agora, as pessoas em risco de contágio contam com um medicamento com o que complementar suas medidas preventivas.
Trata-Se do medicamento Truvada, que tem demonstrado bastante eficaz para prevenir o HIV criar raízes e se reproduzir no corpo humano. Por isso, a Agência de Alimentos e Medicamentos dos estados unidos (FDA, na sigla em inglês) acaba de aprovar o uso do medicamento que produz a empresa Gilead Sciences, que já recebeu o visto bom para tratar a infecção do vírus em combinação com outros fármacos em 2004.
“Os avanços da medicina, juntamente com a disponibilidade de quase 30 fármacos específicos do HIV, permitiram-nos tratar a maioria do tempo como uma doença crônica”, explicou a diretora da Divisão de produtos antivirais da agência, Debra Birnkrant, no site da instituição. “Mas ainda é melhor prevenir o HIV do que tratá-lo como uma infecção por HIV por toda a vida”, acrescentou.
A mensagem é clara. Este fármaco complementa, mas não substitui, o resto das medidas preventivas, por muito que o risco de adquirir a infecção pelo HIV tenha diminuído nos estudos que lida com a agência. Em concreto, 42 por cento em um estudo de 2.500 homens homossexuais e bissexuais, e de mulheres transexuais, e 75 por cento em outro composto por 4.800 casais heterossexuais em que uma pessoa foi infectada.
Daí que esta nova aplicação de Truvada implique certificar-se de que o paciente não está infectado, controlar o seu uso em pessoas que tenham tido doenças de ossos ou de rins e determinar a possível infecção por hepatite B. foi observado que, após parar o tratamento com Truvada, os pacientes com o vírus HIV-1 -o vírus HIV mais comum – e hepatite B viam como piorava a infecção por hepatite.
Não baixe a guarda, a prevenção é uma questão fundamental que tem acompanhado as conclusões de estudos anteriores que já indicavam que o uso de medicamentos para tratar a infecção por VIH pode ser uma profilaxia adequada. “Ainda há muitas perguntas que responder”, explicou o pesquisador Charles Okwundu, que dirigiu uma revisão de seis estudos anteriores que sugeriu que “os medicamentos antirretrovirais podem reduzir o risco de infecção por HIV em pessoas de grupos de alto risco”, em um comunicado da editora Wiley-Blackwell.
Por exemplo, “como garantir que as pessoas aderem às suas terapias anti-retrovirais? Quais são os efeitos a longo prazo? Você tem a exposição profilática uma boa relação custo-benefício a longo prazo?”. O estudo, que dirigiu Okwundu, do Centro para a saúde baseada em evidências da Universidade de Stellenbosch, na África do sul, enfocou o uso de tenofovir (TDF), com ou sem emtricitabina (FTC). Precisamente, o medicamento é uma combinação de dois medicamentos e da confirmação da profiláxis como meio de prevenção eficaz contra a AIDS.
Prevenção em comprimidos

Complementa as medidas antiVIH