Cérebro 3D para estudar

O futuro cérebro 3D vai ajudar médicos a realizar melhor seus diagnósticos.

Queimar o cérebro cura para a doença de parkinson
Cérebros antibióticos
Mapa da inteligência
Henry Markram, neurocientista do pesquisador do Projeto Cérebro Humano (HBP) lançou um à procura de solução sem precedentes: fazer uma simulação para o detalhe do cérebro humano, para assim poder conhecer, estudar, analisar e encontrar soluções para doenças neurológicas como o alzheimer ou o autismo. Segundo o pesquisador, o projeto envolve uma “revolução” no campo das tecnologias de supercomputação.
Dispõem de dez milhões de artigos científicos, ensaios e análises, que falam sobre o nosso órgão mais precioso. Integrar todo esse conhecimento de anos e anos de pesquisa, é uma aposta que, sem dúvida, facilitará a tarefa a biólogos, cientistas e pesquisadores de todo o mundo, além de ajudar a entender melhor o funcionamento do cérebro, a realização de um diagnóstico mais confiável e dar o tratamento mais adequado em resposta a uma análise mais abrangente.
A data prevista de lançamento é para o ano de 2018, em que se espera contar já com o primeiro protótipo de um supercomputador para realizar uma simulação incrivelmente detalhadas do cérebro. Isso, se conseguem financiamento, pendente de aprovação pela Comissão Europeia, já que “a indústria não pode fazê-lo por si mesma. Se não se consegue, não se paralizará o projeto, mas levará muitos mais anos do que o previsto”, explica Markram.
Segundo o pesquisador, o principal desafio do projeto é aprender as regras a partir das quais poderemos ‘construir’ o cérebro humano: como se distribuem os neurônios, quantos tipos de células existem ou como funcionam de maneira conjunta”. E é que trabalham sobre um dos organismos mais estudados, mas também mais delicados e, em parte, mais desconhecidos.
O projeto HBP, é um dos seis projetos pré-selecionados pela Comissão Europeia para participar da iniciativa Tecnologias Emergentes e do futuro (FET) em apoio a planos de investigação multidisciplinares em grande escala. O projeto, que foi apresentado hoje, em Madrid.
Cérebro 3D para estudar

E tratar doenças neurológicas